Zona Euro Supervisor europeu aplica multa a banco pela primeira vez

Supervisor europeu aplica multa a banco pela primeira vez

O irlandês Permanent TSB foi multado em 2,5 milhões de euros por não ter cumprido os requisitos de liquidez impostos pelo Banco Central Europeu.
Supervisor europeu aplica multa a banco pela primeira vez
Reuters
Negócios 28 de agosto de 2017 às 18:20

O Mecanismo Único de Supervisão, o "braço" supervisor do Banco Central Europeu (BCE), aplicou uma multa de 2,5 milhões de euros ao banco irlandês Permanent TSB por este não ter cumprido os requisitos de liquidez exigidos. Foi a primeira vez desde que começou a operar, no final de 2014, que este organismo aplicou uma coima a uma instituição financeira.

 

Segundo o Financial Times, o Mecanismo Único de Supervisão informou que aplicou uma coima de 1,75 milhões de euros ao banco irlandês por este não ter cumprido "requisitos específicos de liquidez" exigidos pelo supervisor em Novembro de 2015.

 

O Permanent TSB teve uma coima adicional de 750 mil euros por ter voltado a incumprir com as exigências do organismo liderado por Danièle Nouy (na foto) em Fevereiro.

 

Segundo o BCE, o banco irlandês não cumpriu os requisitos relativos ao rácio de cobertura de liquidez entre Outubro de 2015 e Abril de 2016.

 

Em comunicado citado pelo jornal britânico, o Permanent TSB garante que cooperou totalmente com o BCE e que tem uma posição de liquidez de acordo com as regras desde Abril de 2016.

 

"As violações surgiram de uma interpretação errada da revisão de um regulamento que actualizou elementos dentro do cálculo do rácio de cobertura de liquidez que se relacionavam com o tratamento do financiamento do BCE. Em nenhum momento durante este período, a posição real de liquidez do grupo se deteriorou", sublinha o banco no comunicado.

 

Um porta-voz do organismo de supervisão confirmou que foi a primeira multa aplicada a um banco pelo Mecanismo Único de Supervisão, enquanto o informou que a instituição irlandesa já "remediou completamente a questão".

 

De acordo com o Financial Times, o banco pode recorrer da decisão no Tribunal Europeu de Justiça. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
??? 29.08.2017

És pouco feia és, o quê que esta gaja tem na boca?

Marcelino 28.08.2017

Meu Deus, que Feia! Pior que um Homem. Viva a igualdade