Ásia Supremo Tribunal dos EUA restabelece decreto anti-imigração de Trump

Supremo Tribunal dos EUA restabelece decreto anti-imigração de Trump

O Supremo Tribunal dos Estados Unidos vai deixar a administração de Donald Trump aplicar parcialmente o decreto anti-imigração que visa alguns países muçulmanos, contrariando as instâncias judiciais inferiores que deliberaram o bloqueio da medida, foi divulgado hoje.
Supremo Tribunal dos EUA restabelece decreto anti-imigração de Trump
Lusa 26 de junho de 2017 às 16:45

Esta decisão da mais alta instância judicial americana é uma vitória para a Presidência de Donald Trump que se viu envolvida nos últimos meses numa controversa batalha judicial relacionada com a aplicação deste controverso decreto.

 

Segundo a agência noticiosa norte-americana Associated Press (AP), o Supremo Tribunal deixou uma categoria de cidadãos estrangeiros protegida do controverso decreto presidencial: todos aqueles "com uma reivindicação credível de uma relação com uma pessoa ou uma entidade nos Estados Unidos".

 

A primeira versão do controverso decreto anti-imigração, assinada poucos dias depois da tomada de posse de Trump (a 20 de Janeiro), estabelecia uma proibição de entrada nos Estados Unidos a imigrantes de sete países de maioria muçulmana (Irão, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iémen). A proibição, com efeitos imediatos, era estabelecida para um período de três meses.

 

O decreto também previa a suspensão da chegada aos Estados Unidos de todos os refugiados por um período mínimo de 120 dias (para os refugiados sírios o prazo era indeterminado).

 

Em Março último, Trump assinou uma nova versão do decreto, retirando o Iraque da lista de países visados. Na nova versão, as pessoas com autorização de residência, que detenham os conhecidos 'green card', e os titulares de vistos estavam explicitamente protegidos e podiam continuar a viajar para os Estados Unidos.

 

As duas ordens executivas acabaram por ser bloqueadas por tribunais de primeira instância e de recurso, o que deu origem a uma batalha judicial.

 

A administração de Trump alega que este decreto é necessário para permitir uma revisão interna dos procedimentos de triagem dos requerentes de vistos dos países visados no diploma presidencial.

 

Este processo de revisão deverá estar completo antes de 2 de Outubro, altura em que os juízes do Supremo Tribunal irão ouvir em audiência os argumentos relacionados com este controverso dossiê.

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
5640533 Há 3 semanas

Corrente trifasica em curto circuito se houver crash na América.

NEM HOJE DEIXARAM O BCP SUBIR 3 % Há 3 semanas

ARRE que é DEMAIS é que nem hoje que o EXMO SENHOR DR ULISSES PEREIRA DISSE que está a começar em portugal o MAIOR CRESÇIMENTO DESTE SÉCULO na ECONOMIA e que a bolsa vai ficar ligada em corrente TRIFASICA NEM assim deixam o desgraçado SUBIR

pub