Mundo Suspeito de terrorismo em França tinha residência em Aveiro

Suspeito de terrorismo em França tinha residência em Aveiro

O cidadão marroquino, de 26 anos de idade e detido este fim-de-semana em França, tinha sido investigado pela Polícia Judiciária desde 2015 enquanto suspeito de poder vir a integrar um grupo terrorista.
Suspeito de terrorismo em França tinha residência em Aveiro
Bruno Simão/Negócios
Lusa 21 de Novembro de 2016 às 17:24
Um dos sete alegados terroristas detidos em França estava ser investigado pela Polícia Judiciária, desde o verão de 2015, e tinha autorização de residência em Portugal desde 2014, anunciou hoje a PJ.

Em comunicado, a PJ refere que a sua Unidade Nacional Contra Terrorismo identificou, investigou e transmitiu às sua congéneres internacionais a possibilidade de esse cidadão marroquino, de 26 anos de idade, poder vir a integrar um grupo terrorista.

Segundo a PJ, o homem detido em França durante o fim de semana residia em Aveiro e tinha autorização de residência em Portugal emitida em 2014.

A PJ adianta que o cidadão marroquino estava a ser investigação pela Polícia Judiciária, desde o verão de 2015, e foi objeto de um pedido de cooperação internacional e de vigilância discreta inserido no Sistema de Informação Schengen, tendo sido detido pelas autoridades francesas durante o passado fim de semana.

A PJ refere ainda que as investigações prosseguem em articulação com as nossas congéneres de outros países.

O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, anunciou hoje que um "novo atentado" foi "frustrado" em França, numa operação antiterrorista realizada na noite de sábado para domingo, em Estrasburgo (leste) e Marselha (sul), com a detenção de sete pessoas.

As sete pessoas, entre os 29 e os 37 anos e de nacionalidades francesa, marroquina e afegã, foram detidas durante uma operação realizada no âmbito de uma investigação aberta pela procuradoria antiterrorista há "mais de oito meses", precisou o ministro.

Seis delas não eram conhecidas pelos serviços de informações e uma outra, um marroquino que não residia em França.

As detenções "permitiram evitar um ataque terrorista planeado há muito" para o território francês, disse Cazeneuve numa conferência de imprensa transmitida na televisão.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Nao vai ha muito tempo que o Canada mandou acorianos para o arquipelago,nao sei os motivos,so sei que o Canada nao andou de sineta na mao a dizer as razoes de o mandarem para a terra que o vui partir.Marrocos e tao grande e povoado,que va para a terra dele fazer o que o i.s.manda,mas nao na casa alh

Camponio da beira Há 2 semanas

(2) Vá lá que foram confirmar e viram a patranha que o marruiono lhes enfiou.O gajo para se vinhgar deitou fogo ao armazem do agricultor. foi visto a fugir do local à 01H30. Judiciaria ao barulho, não conseguiram apanhar o gajo e o M.Publico nem mandato de captura emitiu e o bandido fugiu.



Camponio da beira Há 2 semanas

(1)Há uns 3 anos, um marroquino de idade semelhante, depois de uns dias a trabalhar num agricultor, foi apresentar queixa deste ao T.Trabalho dizendo que o patrão não lhe pagava há meio ano.Na ânsia de massacrar o agricultor, logo aceitaram a queixa sem verem que tinha os documentos caducados. cont.

Armin Calder Há 2 semanas

Eles andem aí...!

pub