Política Swaps: Parlamento quer documentação do acordo entre Estado e Santander Totta

Swaps: Parlamento quer documentação do acordo entre Estado e Santander Totta

O PCP quer que o Governo entregue ao parlamento toda a documentação sobre o processo judicial entre o Estado e o Santander Totta relativamente aos contratos 'swap' celebrados entre as partes.
Swaps: Parlamento quer documentação do acordo entre Estado e Santander Totta
Bruno Simão/Negócios
Lusa 18 de abril de 2017 às 19:42

O grupo parlamentar do PCP tinha já apresentado um requerimento na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa para que o parlamento peça estes documentos ao Ministério das Finanças, tendo o pedido sido hoje aprovado por unanimidade.

 

Em causa estão nove contratos de 'swap' celebrados entre o Santander Totta e o Metropolitano de Lisboa, Carris, Metro do Porto e STCP, que, no início de 2013, seguindo orientações do Ministério das Finanças, as empresas públicas decidiram considerar inválidos, suspendendo os pagamentos previstos.

 

Também o PSD apresentou um requerimento para que o ministro das Finanças preste declarações ao parlamento sobre o acordo a que o Estado e o Santander Totta chegaram e sobre as condições de financiamento ao Estado.

 

O PCP concorda com o pedido dos sociais-democratas, mas quer que a audição aconteça depois de o parlamento ter toda a documentação, mas o PS pediu o adiamento da votação do requerimento.

 

Em 12 de Abril, o Estado português e o Banco Santander Totta anunciaram ter chegado a um acordo que encerra os litígios judiciais relativos a contratos de 'swaps' de cobertura de taxa de juro celebrados com as empresas públicas de transportes.

 

O acordo prevê que o Estado assegure o cumprimento pelas transportadoras públicas das "sentenças já proferidas pelo tribunal de Londres que reconhecem a validade dos referidos contratos e a conduta profissional do Banco Santander Totta" e que Portugal "desistirá do pedido de admissão de recurso pendente, mas ainda não aceite pelo Supremo Tribunal inglês".

 

Quanto ao Santander Totta, o acordo determina que o banco "desistirá da acção e pedido de indemnização contra o Estado e contra o IGCP [Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública] pendente nos tribunais portugueses e concederá, em contrapartida, um empréstimo de longo prazo à República Portuguesa que implicará uma poupança nos seus custos de financiamento".

 

Segundo a tutela, trata-se de um financiamento no montante total de 2,3 mil milhões de euros, por um prazo de 15 anos, a efectuar "em condições de taxa de juro mais favoráveis, permitindo uma poupança de juros a pagar pela República de 442 milhões de euros no prazo do empréstimo".

 

Um 'swap' é um contrato de cobertura de risco que consiste em fixar uma taxa de juro de um empréstimo com a obrigação de uma das partes pagar a diferença entre a taxa fixa e taxa que varia de acordo com as taxas de juro de referência.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 18.04.2017

E de lamentar a queda da avioneta ontem sobretudo pelas mortes.Mas como aconteceu,melhor teria sido se tivesse caido sobre a parte tribunal do barracao parlamentar,mais para uma casa de teatro fora de epoca.E so advogados de trazer por casa.

pub
pub
pub
pub