Defesa Tancos: Governo junta órgãos de segurança do Estado para ponto de situação

Tancos: Governo junta órgãos de segurança do Estado para ponto de situação

O Governo vai reunir-se hoje, em Lisboa, para fazer um ponto da situação da segurança interna na sequência do furto de material militar da base de Tancos, ocorrido há uma semana.
Tancos: Governo junta órgãos de segurança do Estado para ponto de situação
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 05 de julho de 2017 às 07:19
Numa nota divulgada na terça-feira, o gabinete do primeiro-ministro informou que a reunião decorrerá nas instalações do Sistema de Segurança Interna a partir das 15:00.

A delegação do Governo será chefiada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, em substituição do primeiro-ministro, António Costa.

Além de Augusto Santos Silva, o Governo vai estar representado pelos ministros da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes, da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, e da Justiça, Francisca Van Dunem.

A reunião será conduzida pela secretária-geral do Sistema de Segurança Interna e conta igualmente com as presenças de representantes da Procuradoria-Geral da República, Chefia do Estado-Maior General das Forças Armadas, Sistema de Informações da República Portuguesa, GNR, PSP, PJ, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Polícia Marítima, Serviço de Informações e Segurança e Serviço de Informações Estratégicas de Defesa.

O Exército anunciou que foi detectada na quarta-feira, ao final do dia, a violação dos perímetros de segurança dos Paióis Nacionais de Tancos, no concelho de Vila Nova da Barquinha, distrito de Santarém, e o arrombamento de dois 'paiolins', tendo desaparecido granadas de mão ofensivas e munições de calibre nove milímetros.

Na sexta-feira, o Exército acrescentou que entre o material de guerra roubado na quarta-feira, estão "granadas foguete anticarro", granadas de gás lacrimogéneo e explosivos, mas não divulgou quantidades.

Na sequência do furto, o Chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), general Rovisco Duarte, demitiu cinco comandantes de unidades do ramo para não interferirem com os processos de averiguações sobre o furto de material de guerra em Tancos.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, exigiu, na terça-feira, "uma investigação total" no caso do furto de material militar nos paióis de Tancos, "doa a quem doer e não deixando ninguém imune".

"Pensando no prestígio de Portugal, no prestígio das Forças Armadas, pensando na autoridade do Estado e na segurança das pessoas, é muito simples: tem de se apurar tudo, de alto a baixo, até ao fim, doa a quem doer", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Na terça-feira, a comissão parlamentar de Defesa aprovou as audições do general Rovisco Duarte, na quinta-feira, e do ministro Azeredo Lopes, na sexta-feira, para que prestem esclarecimentos urgentes sobre o furto de armamento em Tancos.

As audições, requeridas por PSD e CDS-PP, foram aprovadas por consenso entre todas as bancadas na reunião da comissão.



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Judas a cagar no deserto 05.07.2017

Desde que o Monhé Costa colocou um açaime nos kumunas e brochiistas isto anda mais calmo.

Estes canhotos agora deixaram de ser rottwailers ?

Anónimo 05.07.2017

M. Soares- 2BANCARROTAS. Guterres 59 mortes. Sócrates-Grande bancarrota e troika. COSTA- 64 mortes e assalto ao quartel ??? FUJAM FUJAM ...

Anónimo 05.07.2017

Uma pesada herdança que tem ficado de um governo para o outro a seguir. Assim não há governo que entre e aguente. Os ministros estão lá há um ano e meio e já tem o terreno cheio de minas anti-pessoal.

Cucu 05.07.2017

Ó "REMELOSOS"...se esta 'varinada' fosse no governo PSD não faltaria...

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub