Defesa Tancos: Ministro da Defesa tem "todo o gosto" em esclarecer Assembleia da República

Tancos: Ministro da Defesa tem "todo o gosto" em esclarecer Assembleia da República

O ministro da Defesa, Azeredo Lopes, garantiu ter "todo o gosto" de prestar esclarecimentos na Assembleia da República, na segunda-feira, sobre o caso do alegado furto de armamento nos paióis de Tancos.
Tancos: Ministro da Defesa tem "todo o gosto" em esclarecer Assembleia da República
Lusa 12 de setembro de 2017 às 20:34

"Sou membro de um órgão de soberania e nunca esqueço isso. Independentemente de tal facto, sempre fui à Assembleia quando fui convidado para tal. Nunca, em nenhuma circunstância, se bem me recordo, deixei de ir à Assembleia quando para tal fui convidado, e irei com todo o gosto, esclarecer o que for necessário", disse Azeredo Lopes (na foto) esta terça-feira em Washington, nos EUA, no final de um encontro no Pentágono com o secretário da Defesa norte-americano, James Mattis.

 

O ministro recusou, no entanto, comentar as declarações feitas numa entrevista publicada no domingo no Diário de Notícias e transmitida na rádio TSF, na qual admitiu poder não ter havido qualquer furto nos paióis de Tancos.

 

"Não vou, nos EUA, comentar uma questão interna. Como sempre disse, acho que basta perceber português para se contextualizar aquilo que eu disse (...) Estou nos EUA, vim para uma série de reuniões muito importantes, não vou maçar os portugueses com mais comentários sobre esse assunto", disse o ministro.

 

Os grupos parlamentares do PSD e do CDS-PP requereram hoje a realização de um debate de actualidade na próxima segunda-feira, com o tema "o alegado furto de Tancos", esperando a presença do ministro da Defesa, Azeredo Lopes.

 

O objectivo, indicou, é a clarificação das declarações do ministro, em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, na qual admitia, na ausência de provas, "por absurdo" que no limite podia não ter havido furto.

 

Na entrevista, Azeredo Lopes referiu-se à falta de provas visuais, testemunhais ou confissão e admitiu que "no limite" pode não ter havido qualquer roubo. "No limite, pode não ter havido furto nenhum. Como não temos prova visual nem testemunhal, nem confissão, por absurdo podemos admitir que o material já não existisse e que tivesse sido anunciado... e isto não pode acontecer", disse.

 

Em Junho, o Exército revelou a violação dos perímetros de segurança dos Paióis Nacionais de Tancos e o arrombamento de dois 'paiolins', tendo desaparecido granadas de mão ofensivas e munições de calibre nove milímetros.

 

Entre o material de guerra furtado dos Paióis Nacionais de Tancos estavam "granadas foguete anticarro", granadas de gás lacrimogéneo e explosivos, segundo a informação divulgada pelo Exército.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 13.09.2017

A bússola que orienta este ministro é a mesma que orienta a Geringonça, o Costa e o Martelinho...deve haver muitas virgens muito perto da Bússola está a desorientar a classe dirigente.

Anónimo 12.09.2017

Mas o homem vai esclarecer o quê se já se declarou publicamente um ignorante no assunto? Irá revelar que o material de guerra tem uma gestão do tipo "mercearia de esquina"? Será para isto que temos carradas de oficiais nas FA? É imperioso que o Sr. PR tome drásticas providências para acabar com esta anarquia e restaurar a disciplina no sector.

Saber mais e Alertas
pub