Autarquias Temperatura em Lisboa pode cair três graus no Verão com obras no Eixo Central

Temperatura em Lisboa pode cair três graus no Verão com obras no Eixo Central

As obras recentes no Eixo Central de Lisboa podem permitir que a temperatura em Agosto desça três graus centígrados e aumente em 10% a humidade relativa em algumas das áreas requalificadas, segundo um estudo hoje divulgado.
Temperatura em Lisboa pode cair três graus no Verão com obras no Eixo Central
DR
Lusa 29 de junho de 2017 às 18:05
"As melhorias devem-se sobretudo ao aumento da vegetação (26%), traduzida por novos alinhamentos arbóreos no eixo central e lateral, mas também num incremento da vegetação herbácea por redução da área asfaltada", lê-se num comunicado da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

A investigação sobre as obras executadas na Avenida da República, Praça do Saldanha, Praça de Picoas e na Avenida Fontes Pereira de Melo, conclui também que a velocidade do vento diminui um metro por segundo "num dia típico de Agosto".

Para a realização deste estudo, os investigadores José António Tenedório, Teresa Santos e Caio Frederico e Silva "simularam a situação térmica, antes e depois da requalificação pela Câmara Municipal de Lisboa, do espaço entre o Saldanha e os dois primeiros quarteirões da Avenida da República".

O projecto do Eixo Central iniciou-se em maio de 2016 tendo terminado em Janeiro do presente ano, possibilitando o alargamento dos passeios, a criação de zonas verdes, a repavimentação das faixas de rodagem, o reordenamento do estacionamento e a criação de uma ciclovia bidireccional.

A intervenção, orçada em 7,5 milhões de euros, gerou a contestação de moradores e comerciantes pelos impactos no tráfego e no estacionamento.



A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Rocco 14.07.2017

Notícia merdozzza... Encomendada pela camarilha do enjoado da câmara. A jornaleirada é uma vergonha. Os engarrafamentos que esta patranha da requalificação criou vão encarregar-se de aquecer e tornar o ar pior.

Camponio da beira 12.07.2017

Nalguns locais, podiam criar uma estrutura aérea com cabos de aço, com micro aspresores a produzir nevoeiro, que gastam uma ninharia de água, e baixam a temperatura no local uns 10/15 graus. Eu tenho 3 num armazém de luzalite, que ligo mais um ventilador p/ espalhar e fica confortavel trabalhar.

JPA 11.07.2017

Tendo trabalhado algo sobre a influência da vegetação no controlo das condições do clima, muito especialmente em espaços verdes urbanos, a informação veiculada nesta notícia parece-me plausível. Contudo, há algo que gostaria de saber e que esta notícia não refere: variação da sensação de temperatur

SALAZAR 10.07.2017

COMO É ÓBVIO. CIDADES COMO LISBOA, QUE VÃO SER CADA VEZ MAIS QUENTES, DEVEM TER UM PLANO ESTRATÉGICO PARA COMBATER O CALOR. ISSO DEVE PASSAR SEM DÚVIDA POR UMA MUITO MAIOR ARBORIZAÇÃO E AUMENTO DE ESPAÇOS COM ÁGUA (FONTES, ETC.) POR FORMA A TORNAR A CIDADE MENOS QUENTE. QUANTO MAIS ÁRVORES MELHOR.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub