Europa Terceiro atacante de Londres foi identificado em Itália

Terceiro atacante de Londres foi identificado em Itália

A imprensa italiana identificou o terceiro suspeito de ter participado nos ataques de Londres do passado sábado. Trata-se de Youssef Zaghba, de 22 anos, nascido em Marrocos mas com nacionalidade italiana. Terá sido interceptado em 2016 a caminho da Síria.
Terceiro atacante de Londres foi identificado em Itália
Reuters
Bruno Simões 06 de junho de 2017 às 12:12

O terceiro atacante de Londres já foi identificado pela imprensa italiana, embora as autoridades britânicas ainda não tenham confirmado a informação. De acordo com o jornal transalpino Corriere della Sera, o terceiro envolvido no ataque à London Bridge e ao mercado de Borough no passado sábado chama-se Youssef Zaghba, tem 22 anos e nasceu em Fez, Marrocos. Viveu com os pais em Bolonha antes de ir trabalhar para um restaurante em Londres.

 

Esta segunda-feira, as autoridades já haviam identificado os dois primeiros terroristas: Khuram Butt, de 27 anos, de origem paquistanesa, e Rachid Redouane, de 30 anos, que teria nacionalidade marroquina e líbia. Ambos residiam em Barking, nos arredores de Londres. Os três suspeitos foram abatidos minutos depois de atropelarem, com uma carrinha, várias pessoas na London Bridge e de esfaquearem diversos civis no mercado de Borough.

 

De acordo com o Corriere della Sera, o terceiro atacante tem pai marroquino e mãe italiana e foi detido em Março de 2016 no aeroporto de bolonha quando tentava embarcar num voo para a Turquia, para depois se deslocar para a Síria, com uma mochila e um bilhete de ida para Istambul. Nessa altura terá sido acusado de terrorismo internacional e, embora tenha sido posteriormente considerado inocente, foi colocado na lista negra de pessoas ligadas ao terrorismo.

 

O telemóvel e o passaporte de Youssef Zaghba foram apreendidos e no aparelho foram encontradas imagens e vídeos de cariz religioso, embora nenhum particularmente ligado ao movimento jihadista, prossegue o Corriere della Sera. Apesar disso, Youssef foi marcado como potencial "foreign fighter" nos registos internacionais. As autoridades italianas terão alertado as congéneres britânicas e marroquinas.

A Polícia Metropolitana londrina não se pronunciou sobre se é mesmo esta a identidade do terceiro suspeito abatido. Esta segunda-feira, a primeira-ministra Theresa May garantia que os três atacantes já haviam sido identificados.

Os ataques do passado sábado provocaram sete mortos e 48 feridos.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 06.06.2017

Os europeus, Portugal incluído, são vítimas da Sharia, anti-liberal e inerentemente anti-mercado, dos direitos adquiridos. A mesma que defende o direito ao trabalho dê por onde der e os empregos e generosos benefícios sociais garantidos para a vida toda e sempre a subir, o keynesianismo despesista do tipo que ordena a abertura de buracos nas ruas só para depois os ter que tapar logo de seguida e assim ver o PIB anual crescer por virtude de um efeito multiplicador quase bíblico que acaba sem pão ou sem peixe alguns para a multidão e o esquema em pirâmide da Segurança Social estatal cuja base se estreita a cada ano que passa e desemboca na imigração "open door", sem critérios de selectividade orientados para as reais necessidades ditadas pelas forças de mercado a cada momento. Nos condomínios fechados para as elites cada vez mais enclausuradas, como One Hyde Park, muitos deles financiados por Estados islâmicos, tudo está tranquilo...

comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 06.06.2017

Ja comeco a comparar esta raca a homoxesualidade.Antes dos anos 80 em portugal quando se descubria um homemsexual,ele tinha de se por a milhas,hoje ele segue a sua vida com normalidade.Um dos 3 assassinos do ultimo atentado era pai de 2 filhos ainda tenros,sera q nao se lembrou doq atraz ia deixar?

Anónimo 06.06.2017

Os europeus, Portugal incluído, são vítimas da Sharia, anti-liberal e inerentemente anti-mercado, dos direitos adquiridos. A mesma que defende o direito ao trabalho dê por onde der e os empregos e generosos benefícios sociais garantidos para a vida toda e sempre a subir, o keynesianismo despesista do tipo que ordena a abertura de buracos nas ruas só para depois os ter que tapar logo de seguida e assim ver o PIB anual crescer por virtude de um efeito multiplicador quase bíblico que acaba sem pão ou sem peixe alguns para a multidão e o esquema em pirâmide da Segurança Social estatal cuja base se estreita a cada ano que passa e desemboca na imigração "open door", sem critérios de selectividade orientados para as reais necessidades ditadas pelas forças de mercado a cada momento. Nos condomínios fechados para as elites cada vez mais enclausuradas, como One Hyde Park, muitos deles financiados por Estados islâmicos, tudo está tranquilo...

Camponio da beira 06.06.2017

Tenho armazém que foi incendiado. Suspeito um marroquino ilegal, que foi visto fugir do local. A PJ bem tentou encontrar o gajo mas conseguiu fugir. O M. publico nem mandato de captura emitiu e,que mesmo tendo sido visto a fugir do local á hora exacta da deflagração e não o considerou suspeito.

Anónimo 06.06.2017

As bestas que libertaram o selvagem em itália deviam ser responsabilizadas.
é o tal choradinho de k eles coitados não têm culpa. sofreram muito, não se adaptam etc.
é por causa destes BANDALHOS NOS MEDIA, NA POLITICA NOS TRIBUNALS NA KULTURA


familia dos inocentes: vingança privada

pub