Eleições Teresa Morais reconhece eleição difícil mas vai até ao fim

Teresa Morais reconhece eleição difícil mas vai até ao fim

A deputada do PSD Teresa Morais reconheceu hoje que a sua eleição para o Conselho de Fiscalização do Sistema de Informações da República (CFSIRP) é "particularmente difícil", mas garantiu que levará a sua candidatura até ao fim.
Teresa Morais reconhece eleição difícil mas vai até ao fim
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 06 de junho de 2017 às 17:41

"Não podia deixar de ir até ao fim só porque alguém quer avaliar o meu trabalho de forma superficial, próprio de quem não o conhece", afirmou a candidata, que sabe ter, à partida, a oposição do PS, PCP e Bloco de Esquerda.

 

A votação, por voto secreto e em urna, está prevista para quarta-feira pelos deputados e para ser eleita Teresa Morais necessita de dois terços dos votos, o que se torna difícil com o "não" dos socialistas. 

 

No final da audição conjunta com as comissões parlamentares de Assuntos Constitucionais e de Defesa Nacional, que se prolongou por duas horas, a deputada e ex-ministra social-democrata reconheceu que a eleição de quarta-feira é "particularmente atípica e difícil".

 

O importante para Teresa Morais, confessou, era a audição por depender de si própria. "A outra parte [a eleição] não depende de mim, depende dos senhores deputados", disse.

 

Na intervenção inicial, Teresa Morais fez uma exposição sobre a sua experiência, nomeadamente quanto aos serviços de informações, depois de ter sido membro do conselho de fiscalização das "secretas", entre 2004 e 2011.

 

Da parte do PS, que não aceita apoiar Teresa Morais alegando que não tem o perfil adequado, o deputado Jorge Lacão não fez qualquer pergunta, evitando quaisquer considerações sobre a idoneidade e registou "sem discordar" o currículo.

 

Elogiou, até, a dedicação da deputada nos anos que exerceu funções no conselho de fiscalização.

 

"Dizer que sou dedicada e que o meu currículo é adequado, basta-me", respondeu depois a deputada e vice-presidente do PSD.

 

E dado que ninguém levantou a questão da partidarização do conselho de fiscalização, a própria comentou que esse é um argumento usado "quando não há melhor, não há nada mais" para dizer.

 

Antes, Fernando Negrão lembrou que, no passado, Teresa Morais foi eleita com os votos dos deputados do PSD, PS e CDS e citou elogios de vários socialistas, como Ricardo Rodrigues e Osvaldo Castro, na sua eleição e reeleição, em 2004 e 2008.

 

À esquerda, PCP e Bloco de Esquerda reiteraram as suas divergências quanto à modelo de fiscalização dos serviços de informações, baseando aí as suas reservas à escolha da ex-ministra do Governo PSD-CDS. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 06.06.2017

Se o voto e secreto a eleicao esta no papo,a gerigonca ja esta a ter falta de flores para as jarras.O mimico aritmetico curandeiro de algarismos e o GALPista v.santana ja avisaram os radicais que para dar com uma mao,tem que tirar com a outra.A piramde do d.branca professor Bambo esta preste a cacar

pub
pub
pub
pub