Américas Tesouro dos EUA: “Não queremos entrar em guerras comerciais”

Tesouro dos EUA: “Não queremos entrar em guerras comerciais”

Na véspera do G20, o novo secretário do Tesouro dos Estados Unidos foi recebido por Wolfgang Schäuble. Entre os temas em debate esteve a política comercial defendida por Donald Trump e o significativo excedente comercial da Alemanha.
Tesouro dos EUA: “Não queremos entrar em guerras comerciais”
Nuno Aguiar 16 de março de 2017 às 18:32

O encontro era visto com alguma expectativa, uma vez que a nova Administração norte-americana tem criticado a dimensão do excedente comercial alemão e Donald Trump até já ameaçou taxar os BMW que entram nos EUA via México. Na conferência de imprensa no final do encontro, as perguntas centraram-se nas intenções de Washington, nomeadamente em relação a medidas proteccionistas, um dos principais pilares da campanha presidencial de Donald Trump.

 

"Tivemos uma discussão muito produtiva sobre comércio e nosso objectivo é ter acordos mais equilibrados que sejam bons para nós e para os outros. O Presidente acredita no comércio livre. Mas quer comércio livre e justo. Alguns acordos têm de ser renegociados", afirmou Steven Mnuchin, lado a lado com o ministro das Finanças alemão.

 

Confrontado com declarações recentes de um dos principais conselheiros de Trump – que acusou a Alemanha de usar um euro muito desvalorizado para se aproveitar comercialmente dos EUA – Mnuchin não quis comentar. "Tal como não comento especificidades do dólar, também não comento o euro. Diria apenas que o euro é usado por muitos países e influenciado por muitos aspectos."

 

Mnuchin, que ocupa um cargo equivalente a ministro das Finanças, foi bastante cauteloso nas declarações, mesmo quando se referiu à possibilidade de serem criadas novas tarifas aduaneiras para a entrada de produtos nos Estados Unidos. "Os EUA têm um dos mercados comerciais mais abertos de todo o mundo e são um dos maiores mercados do mundo. O Presidente quer ter a certeza que os nossos acordos são recíprocos e justos, afirmou. "O nosso objectivo é ter crescimento económico que seja bom para os EUA e para o resto do mundo. Não é o nosso desejo entrar em guerras comerciais. O comércio é uma parte importante do crescimento."

 

Apesar das várias divergências entre os dois governos, Schäuble adoptou também uma postura pouco confrontacional, mas não deixou passar a oportunidade de explicar o motivo pelo qual a Alemanha tem um superavit tão significativo. "Falámos sobre isto e há vários motivos para esse excedente", sublinhou o ministro das Finanças alemão. "Não se esqueçam que não temos a nossa própria moeda. Fazemos parte da Zona Euro com outros 18 Estados. Isso precisa de ser destacado. É o BCE que é responsável pela política monetária."

 

Ainda assim, aproveitou para atacar a coerência das críticas dos EUA. "Podemos discutir o excedente da Califórnia, para falar do contexto americano. Nós estamos numa união monetária, com o BCE… Não estou a criticar, é como é."

 

Minutos antes, Schäuble tinha reconhecido que "é perfeitamente natural que não se concorde com tudo", mas que Berlim e Washington têm "uma posição comum". "Ambos queremos estimular crescimento global sustentável."




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Claro, todo o mundo gostava do Obama porque estava a impobrecer os EU e a favorecer o mundo inteiro; 68 bilioes a favor do Japao, 66 bilioes a favor do Mexico , 65 bilioes a favor da China, 60 bilioes a favor da Alemanha, e assim sucessivamente; tudo isso vai acabar de certesa; para isso foi eleito o GRANDE TRUMP contra a vontade dos beneficiados inimigos da America. a teta esta' a secar

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Claro, todo o mundo gostava do Obama porque estava a impobrecer os EU e a favorecer o mundo inteiro; 68 bilioes a favor do Japao, 66 bilioes a favor do Mexico , 65 bilioes a favor da China, 60 bilioes a favor da Alemanha, e assim sucessivamente; tudo isso vai acabar de certesa; para isso foi eleito o GRANDE TRUMP contra a vontade dos beneficiados inimigos da America. a teta esta' a secar

pub
pub
pub
pub