União Europeia Theresa May poderá defender "'brexit' duro" em discurso ao país

Theresa May poderá defender "'brexit' duro" em discurso ao país

A imprensa britânica noticia que a primeira-ministra britânica anunciará na terça-feira a saída da União Europeia sem acesso ao mercado único europeu e o fim da jurisdição do Tribunal Europeu de Justiça. Downing Street não comenta.
Theresa May poderá defender "'brexit' duro" em discurso ao país
.
Negócios com Lusa 15 de janeiro de 2017 às 17:20

A primeira-ministra britânica pedirá "união" aos cidadãos no seu esperado discurso sobre o 'brexit', que decorrerá na terça-feira, com o objectivo de construir um Reino Unido "global", adiantaram hoje vários jornais britânicos.

 

No discurso, que será realizado no palácio Lancaster House, no centro de Londres, espera-se que Theresa May apresente detalhes da estratégia do Governo para negociar com Bruxelas a saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

 

Theresa May apelará, tanto aos partidários como aos que se colocaram contra a saída da União Europeia, que deixem para trás as suas diferenças e "os insultos".

 

O Governo britânico não se pronunciou sobre as publicações em alguns periódicos, que anteciparam hoje partes do discurso da primeira-ministra, em que exporá o plano de execução de um "'brexit' duro", que resultará no fim do acesso ao mercado único europeu, à união aduaneira nas áreas de controlo da imigração e ao fim da jurisdição do Tribunal Europeu de Justiça.

 

Theresa May, segundo o jornal The Sunday Telegraph citando uma fonte governamental, declarou que "os cidadãos saberão que quando disse que o 'brexit' significava 'brexit', era a sério".

 

Por outro lado, o ministro para a saída da UE, David Davis, disse ao jornal The Sunday Times que procurará forjar "uma nova e sólida aliança" com os outros 27 membros da UE.

 

Segundo alguns extractos do discurso divulgados hoje, Theresa May referirá a necessidade de fomentar a unidade com "objectivos comuns", como a protecção e o fortalecimento dos direitos dos trabalhadores, com a intenção de criar consenso depois de meses de conversações turbulentas entre as partes.

 

"Uma das razões porque a democracia no Reino Unidos foi um êxito durante anos é pela fortaleza da nossa identidade como nação, pelo respeito que mostramos como cidadãos, a importância que conferimos às nossas instituições implica que quando há uma votação, todos respeitamos o resultado", segundo a líder britânica.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 15.01.2017

A UK, com a saida total ; a Geringonca europeia, desintegra-se imediatamente; infelizmente!

comentários mais recentes
beachboy 15.01.2017

...estes bifes não se mancam!...
...quando os bancos começarem a transferir as actividades vamos ver se mantêm a arrogância...
...e se levarem com tarifas aduaneiras nas exportações de bens industriais então é que vai ser bonito!...
...enfim, bluf iresponsável que só vai ter más consequências para a Inglaterra...
...mas como já andavam a brincar com o fogo à muito...
...só tem o que merecem!...

Anónimo 15.01.2017

Preferia a inglaterra na EU em vez da Franca.A franca e das que da 1 pata de porco depois de ter recebido o resto do animal.Nao direi q a EU acabe com a saida inglesa,mas vao haver mais saidas da EU.Se forem chamados a tapar buracos periferic principal/ os ultimos paises que entraram batem c a porta

Anónimo 15.01.2017

A UK, com a saida total ; a Geringonca europeia, desintegra-se imediatamente; infelizmente!

pub