União Europeia Theresa May quer acordo transitório para resolver "questões práticas"

Theresa May quer acordo transitório para resolver "questões práticas"

A primeira-ministra britânica disse aos deputados que é preciso tempo para as economias do Reino Unido e da própria União Europeia se ajustarem e resolverem "questões práticas".
Theresa May quer acordo transitório para resolver "questões práticas"
Reuters
Rita Faria 20 de dezembro de 2016 às 15:33

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, anunciou esta terça-feira, 20 de Dezembro, que pretende negociar um acordo de transição para suavizar a saída do país da União Europeia.

Segundo o Financial Times, a governante disse aos deputados que é preciso tempo para as economias do Reino Unido e da própria União Europeia se ajustarem e resolverem "questões práticas" como a actualização dos sistemas de TI, depois do divórcio do bloco.

Dirigindo-se aos deputados, Theresa May explicou que o acordo transitório – que implicaria a extensão temporária de alguns aspectos da adesão à UE – seria apenas para resolver "questões práticas para garantir que as pessoas são capazes de se adaptar ao novo relacionamento".

Nesse sentido, a chefe do Executivo britânico esclareceu que não se trata de adiar a saída do bloco dos 26 nem alargar o período de negociações para permitir o estabelecimento de um novo acordo comercial entre o Reino Unido e a União Europeia.

Theresa May pretende levar a cabo negociações sobre o Brexit e negociações em torno da futura relação comercial entre o país e a UE "em paralelo" apesar dos alertas de Bruxelas de que quaisquer conversações sobre a futura relação comercial só começarão depois da saída formal do Reino Unido. Nessas negociações, May não pretende uma extensão do período de dois anos previsto após o accionamento do Artigo 50º.

"Espero que consigamos operar dentro do quadro temporal previsto no Tratado", afirmou a primeira-ministra. Theresa May já havia aberto a porta à negociação de um acordo de transição, em Novembro, para evitar que o Reino Unido ficasse próximo de um "precipício".

  

"Queremos chegar a um acordo que seja o melhor para o Reino Unido e que sirva os melhores interesses das empresas britânicas", afirmou a 21 de Novembro, durante uma conferência de uma Confederação da Indústria Britânica (CBI). 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Rado 20.12.2016

E não quer uma lavagem com água das malvas?

Chupista 20.12.2016

Esta tipa quer é mama. Ainda pensa que está na época imperial a roubar todo o planeta.

pub