Ambiente Tirar o Ministério da Agricultura de Lisboa? "Faria sentido", diz o Governo

Tirar o Ministério da Agricultura de Lisboa? "Faria sentido", diz o Governo

Capoulas Santos entende que “faria sentido” tirar o Ministério da Agricultura de Lisboa mas, quando questionado sobre se o Governo o fará, responde com outras soluções.
Tirar o Ministério da Agricultura de Lisboa? "Faria sentido", diz o Governo
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 30 de novembro de 2017 às 09:53

"Faria sentido" tirar o Ministério da Agricultura de Lisboa, considera Capoulas Santos, sem assumir compromissos. Porque o Governo tem vindo a compensar a retirada dos balcões concelhios "através das associações agrícolas", alega o ministro.

"Sim, faria sentido" tirar o ministério da Agricultura de Lisboa, responde, em entrevista ao Público e à Rádio Renascença.

"Fiz toda a minha carreira como funcionário do Ministério da Agricultura e o que mais me entristeceu nos últimos anos, fruto de vários governos, foi ter visto o sucessivo desmantelamento do ministério e particularmente nas zonas onde mais devia estar, que era nos territórios rurais. Retirou os seus balcões concelhios onde estava o apoio aos agricultores e concentrou-os nas sedes distritais e nas sedes regionais".

É uma medida para reverter? "Nós temos vindo a reverter essa situação e a compensar de uma forma que se tem revelado bastante positiva, que é através das associações agrícolas que foram ocupando esse espaço", responde o ministro.

Na entrevista, Capoulas Santos reconhece que terá "alguma responsabilidade" pelo que aconteceu este Verão, marcado por mais de cem mortes devido aos fortes incêndios que deflagraram no país e em particular no interior.

O ministro da Agricultura considera que o "mais importante" dos diplomas da reforma da floresta é o que "cria as entidades de gestão florestal que visam criar condições para que o minifúndio possa ter dimensão", integrado em cooperativas ou empresas que terão incentivos fiscais "e que irão florestar de acordo com planos de gestão florestal", com espécies específicas.

Esta é, para o ministro, a melhor forma de garantir investimento em espécies autóctones, por oposição ao pinheiro e ao eucalipto, de retorno mais rápido.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 30.11.2017

Ora aí está uma grande ideia dos nossos governantes.
Mandar a agricultura para o Porto, para o quintal do Rui Moreira, para juntar à AEM e ao Infarmed.Para esse peditório eu dou.

comentários mais recentes
Anónimo 30.11.2017

Sim! eu espetava com ele em Barrancos, isto porque os espanhóis não há meio de nos devolverem Olivença... quanto mais longe melhor.

Observador 30.11.2017

Boa ideia , mas para onde ? Pampilhosa da Serra ? Pedrogão Grande? Beja? Silves ? Castelo Branco ? Tinha sentido para qualquer uma destas povoações , mas não ponham na AV. dos ALIADOS ... não estraguem a minha CIDADE !

Camponio da beira 30.11.2017

Estou em desacordo como JCG. Afaria todo o sentido dispersar os ministerios todos pelas capitais de distrito. Estar no 3º andar ou a 3000 km os custos de comunicação são os mesmos, e muitas das pessoas que foram da provincia regressavam às origens, com significativo aumento da qualidade de vida.

Anónimo 30.11.2017

Ora aí está uma grande ideia dos nossos governantes.
Mandar a agricultura para o Porto, para o quintal do Rui Moreira, para juntar à AEM e ao Infarmed.Para esse peditório eu dou.

ver mais comentários
pub