Europa Tratado de comércio com Canadá está nas mãos da União Europeia

Tratado de comércio com Canadá está nas mãos da União Europeia

Para o Canadá, o seu trabalho está feito. Depois de abandonar a mesa das negociações, ainda se admite a assinatura do acordo. Mas o Canadá garante que a bola está do lado europeu.
Tratado de comércio com Canadá está nas mãos da União Europeia
"Não podemos parar na última milha". Assim escreveu Martin Schulz no seu Twitter, quando anunciou o encontro com o ministro-presidente da Valónia, Paul Magnette, líder da província belga que chumbou o acordo, devido a preocupações com o impacto que poderá ter no aumento da importação de produtos de suíno e bovino e também em relação ao mecanismo de resolução de conflitos entre as partes dos dois continentes, que podem ser usadas pelas multinacionais em seu benefício.

A província vetou o acordo, que já tinha sido aprovado por os 28 países da União, incluindo a Bélgica. 

Schulz descreveu as conversas deste sábado, 22 de Outubro, de construtivas e até "talvez decisivas", declarando que "permaneço optimista".


À saída do encontro, segundo o Guardian, Schulz, o presidente do Parlamento Europeu que não está directamente envolvido nas negociações, declarou que no seu entender "não há qualquer problema que não possa ser resolvido", mas admitiu que "os problemas em cima da mesa são problemas europeus".

No mesmo sentido foram as declarações de Cecelia Malmstrom, comissária europeia com a pasta das transacções comerciais, que admitiu que as negociações com o Canadá estavam concluídas, mas permaneciam pendentes assuntos que são da responsabilidade do executivo europeu. "Continuamos a ter pequenas dificuldades entre os europeus", declarou, citada pelo Guardian, não especificando.

Também a ministra do Comércio canadiana, Chrystia Freeland, atirou a bola para a Europa. "Fizemos o nosso trabalho, está na altura da União Europeia terminar o seu". Na sexta-feira a sua desilusão era óbvia: 

"O Canadá está desapontado. E eu pessoalmente estou muito desapontada. Trabalhei muito, muito duramente. Decidimos ir para casa. Estou verdadeiramente muito, muito triste". E acrescentou: "Parece óbvio que a União Europeia não é capaz de ter um acordo internacional, até com um país que partilha os valores europeus como o Canadá, até com um país que é tão amável e paciente".

O primeiro-ministro canadiana deveria voar para Bruxelas a 27 de Outubro para assinar o tratado. 

De acordo com a Reuters, o acordo prevê aumentar as trocas comerciais entre os parceiros em 20%, dando ganhos anuais de 12 mil milhões de euros às economias do bloco europeu e de 8,26 mil milhões à canadiana.







A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
marsanto Há 2 semanas

Só não vê quem não quer.Esta Europa está tramada ,nas mãos desta cambada de corruptos .O meu APLAUSO aos corajosos Valões.

Anónimo Há 2 semanas

Como e que a EU e composta por (ainda)28 paises se a Belgica tem dois governos:tem a parte francesa e a parte holandesa como tal devia contar por dois,e pelos vistos foi um destes estados que votou contra.Mais uma insignificancia que vai ficar gravada na historia.

Anónimo Há 2 semanas

Só mesmo uma pequena região europeia para ainda defender os interesses de todos nós europeus, os estados já estão todos 'arrebanhados'

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub