Política Três deputados do PSD pedem ao Governo novo acordo de concertação

Três deputados do PSD pedem ao Governo novo acordo de concertação

Pedro Roque, Maria das Mercês Borges e Carla Barros, dirigentes dos TSD, respeitaram a disciplina de voto. Pedem agora que o Governo aproveite a oportunidade para trabalhar num acordo de médio prazo que garanta o apoio do Parlamento.
Três deputados do PSD pedem ao Governo novo acordo de concertação
Catarina Almeida Pereira 25 de janeiro de 2017 às 19:47

Os três deputados do PSD que também são dirigentes dos Trabalhadores Social Democratas (TSD), uma organização do partido integrada na UGT, respeitaram a disciplina de voto mas apresentaram uma declaração na qual sugerem ao Governo que negoceie um acordo de médio prazo.

A declaração assinada por Pedro Roque (presidente dos TSD e ex-secretário de Estado do Emprego), Maria das Mercês Borges e Carla Barros, começa por referir que os deputados prefeririam que o PSD tivesse optado pela abstenção, viabilizando a descida da TSU.

"O sentido de voto da bancada do PSD também poderia ser compaginável com a viabilização do referido decreto-lei designadamente através de uma abstenção tendo também em consideração o apoio que este partido sempre concedeu à concertação social desde a sua génese", lê-se na declaração de voto.

Contudo, os três deputados também esclarecem que compreendem a nova posição do PSD. "Não compete ao PSD alinhar numa espécie de 'geometria variável' de apoio parlamentar", viabilizando medidas que o PS e o Governo propõem quando não contam com o apoio dos artigos da esquerda radical.

Os deputados terminam com um apelo para que o Governo negocieie um acordo a médio prazo.

"Agora que o referido Decreto-Lei foi revogado reconhecem, estes Deputados, que está criada uma nova oportunidade para que o Governo", em concertação social (CPCS), "encete um diálogo sério e rigoroso com os Parceiros Sociais", procurando, por um lado, "uma medida alternativa à que ora fica revogada" e por outro "a celebração de um acordo de médio prazo, amplo e ambicioso, que possa incluir também verdadeiras estratégias de crescimento, competitividade e emprego".

Mas, desta vez, com a prévia negociação das medidas no Parlamento, acrescentam.

"O Governo deverá procurar um real apoio político para os 'outputs' da CPCS o que pressupõe que sejam solidamente negociados do ponto de vista político-partidário no Parlamento. Tal foi o que manifestamente não sucedeu no caso deste decreto-lei".

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 25.01.2017

Tentativa de limpar-se. Garraiada à portuguesa.

pub
pub
pub
pub