Justiça Treze detidos em operação sobre furto de cortiça

Treze detidos em operação sobre furto de cortiça

A investigação começou no ano passado no âmbito do furto de cortiça que afectava a parte sul do distrito de Setúbal, principalmente o concelho de Grândola.
Treze detidos em operação sobre furto de cortiça
DR
Lusa 07 de Novembro de 2016 às 10:25
Treze pessoas foram detidas esta segunda-feira de manhã no decorrer de buscas domiciliárias no âmbito de uma investigação ao furto e receptação de cortiça no distrito de Setúbal, adiantou à agência Lusa uma fonte da GNR.

Em declarações à Lusa, o tenente-coronel João Nortadas, que está a coordenar a operação, contou que as buscas ainda estão a decorrer, mas até ao momento já há 13 detidos, 12 no cumprimento de mandados de detenção que existiam e outro por posse ilegal de arma proibida.

"Foi uma investigação que começou no ano passado no âmbito do furto de cortiça que afectava a parte sul do distrito de Setúbal, principalmente o concelho de Grândola. Durante a investigação verificámos que não só estava em causa o crime de furto de cortiça como também o crime de receptação e fraude fiscal", disse.

Por envolver fraude fiscal, indicou o tenente-coronel João Nortadas, a operação passou a ser conjunta, entre Comando Territorial de Setúbal e Unidade de Acção Fiscal da GNR.

"Assim, às 07:00 de hoje mais de 250 militares deram início a 21 buscas domiciliárias e ao cumprimento de 12 mandados de detenção em cinco concelhos de Setúbal (Palmela, Sesimbra, Setúbal, Seixal e Grândola)", salientou.

O tenente-coronel João Nortadas disse ainda que na operação estão empenhados mais de 250 militares e mais de 50 viaturas.

"Contámos também com a colaboração da PSP de Setúbal, porque duas das buscas foram realizadas numa área da responsabilidade da PSP", concluiu.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub