Economia Trezentas pessoas com mais de 5.000 euros em prejuízos agrícolas em Pedrógão Grande  

Trezentas pessoas com mais de 5.000 euros em prejuízos agrícolas em Pedrógão Grande  

O Ministério da Agricultura já disponibilizou dez milhões de euros para os agricultores afectados pelo incêndio que atingiu a região Centro entre 17 e 24 de Junho.
Trezentas pessoas com mais de 5.000 euros em prejuízos agrícolas em Pedrógão Grande  
Reuters
Lusa 21 de agosto de 2017 às 14:29

 

 

Cerca de 300 pessoas registaram mais de 5.000 euros em prejuízos agrícolas nos sete concelhos afectados pelos incêndios que começaram em Junho em Góis e em Pedrógão Grande, revelou hoje a Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro (DRAPC).

 

Há também 1.261 pessoas que contabilizaram prejuízos na área agrícola entre os 1.053 e os 5.000 euros, informou a directora regional de Agricultura e Pescas do Centro, Adelina Martins, durante uma sessão de esclarecimentos sobre o apoio aos proprietários afectados, que decorreu na Casa Municipal de Cultura de Pedrógão Grande.

 

Numa sessão muito concorrida (a organização foi obrigada a criar uma segunda sessão), Adelina Martins procurou explicar critérios e procedimentos para os agricultores afectados, na sua grande maioria pessoas que têm explorações de agricultura de subsistência.

 

"Vai-se andando aos poucos para se tentar ajudar todos os que necessitam", frisou durante a sessão a responsável da DRAPC, que se viu confrontada com várias questões e dúvidas por parte das pessoas afectadas, a maioria revoltadas com as exigências para apoios acima de 5.000 euros.

 

Durante a iniciativa, Adelina Martins explicou que a DRAPC não pode ajudar a fazer a candidatura ao apoio, visto que tem de haver separação entre quem valida o projecto e quem o faz.

 

O Ministério da Agricultura já disponibilizou dez milhões de euros para os agricultores afectados pelo incêndio que atingiu a região Centro entre 17 e 24 de Junho.

 

O incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande no dia 17 de Junho, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos e só foi dado como extinto uma semana depois.

 

Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos no combate às chamas, que consumiram 53 mil hectares de floresta, o equivalente a cerca de 75 mil campos de futebol.

 

O fogo chegou ainda aos distritos de Castelo Branco, através da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra e Penela.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub