Política Tribunal Constitucional de Espanha trava referendo na Catalunha

Tribunal Constitucional de Espanha trava referendo na Catalunha

O Tribunal Constitucional espanhol suspendeu a lei do referendo, dando a conhecer aos políticos catalães que não podem participar na organização da consulta popular prevista para 1 de Outubro.
Tribunal Constitucional de Espanha trava referendo na Catalunha
Bloomberg
Carla Pedro 07 de setembro de 2017 às 21:01

O referendo na Catalunha foi suspenso por ordem do Tribunal Constitucional de Espanha, que travou esta noite, de forma cautelar, a lei do referendo aprovada na quarta-feira pelo parlamento catalão e os decretos assinados para a consulta popular agendada para 1 de Outubro, avança o El País.

 

O órgão presidido por Juan José González Rivas tinha-se reunido de urgência esta tarde, depois de receber as quatro impugnações formuladas pelo Governo espanhol, segundo o mesmo jornal. Três delas são contra o conteúdo da norma, contra o decreto de convocatória do referendo assinado pelo presidente da Generalitát da Catalunha, Carles Puigdemont, e contra a nomeação dos cinco membros da Comissão Eleitoral.

 

Além disso, o Constitucional acordou advertir pessoalmente os 947 autarcas catalães e pelo menos 62 altos cargos da Generalitát para o seu dever de não participarem na organização do referendo de 1 de Outubro.

 

A lei do referendo foi aprovada ontem no parlamento catalão com os votos dos independentistas (JxSi e CUP). Logo de seguida, o chefe do governo espanhol, Mariano Rajoy, pediu um parecer urgente ao Conselho de Estado sobre a referida lei para apresentar um recurso esta quinta-feira junto do Tribunal Constitucional – o que veio a acontecer.

Puigdemont prometeu desafiar instituições

Pouco antes de ser conhecida a decisão daquele alto tribunal espanhol, o presidente da Catalunha perseverou na ideia de continuar a desafiar as instituições, ao dizer numa entrevista à TV3 que pretende prosseguir com o referendo, independentemente das resoluções do Constitucional, frisando que "perante um tsunami de querelas haverá um tsunami de democracia", refere o Expansión.



(notícia actualizada às 21:26)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

A espanha virou uma ditadura. O povo catalão tem todo o direito de decidir o seu destino. Do que têm medo os ditadores de Madrid? Que a maioria do povo vote independência? Sera a democracia a funcionar.

Criador de Touros Há 2 semanas

Apoiado. Os catalães parecem garotos mimados. Acho que haverá políticos catalães presos e é lógico que haja. É só aplicar a lei.

pub
pub
pub
pub