Justiça Tribunal rejeita leitura restritiva de lei de Trump sobre viagem de muçulmanos para os EUA

Tribunal rejeita leitura restritiva de lei de Trump sobre viagem de muçulmanos para os EUA

Um tribunal de recurso norte-americano rejeitou a leitura restritiva da administração Trump sobre quem pode viajar para os Estados Unidos no quadro da lei que limita a entrada no país a nacionais de vários países muçulmanos. 
Tribunal rejeita leitura restritiva de lei de Trump sobre viagem de muçulmanos para os EUA
Reuters
Lusa 08 de setembro de 2017 às 00:28

O painel de três juízes do 9º Tribunal de Recurso dos Estados Unidos determinou na quinta-feira à noite que avós, primos e familiares com grau semelhante de parentesco com residentes nos Estados Unidos não podem ser impedidos de viajar para o país.

 

O tribunal determinou ainda que os refugiados aceites por agências de recolocação de refugiados não devem ser banidos.

 

Em Junho último, o Supremo Tribunal dos Estados Unidos fez saber que a lei assinada por Trump logo a seguir à sua investidura no final de Janeiro poderia ser reforçada, dependendo de argumentos que devem ser decididos em Outubro.

 

Porém, a mesma instituição determinou, desde logo, que as restrições não devem ser aplicadas a visitantes que têm uma relação de "bona fide" com pessoas ou organizações nos Estados Unidos, como familiares próximos ou uma oferta de emprego.

 

A Administração norte-americana interpretou que as relações acima referidas incluíam familiares em primeiro grau ou ligados por casamento, mas não avós, primos ou tios. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub