Segurança Social Trocaria parte do salário por maior segurança na reforma?

Trocaria parte do salário por maior segurança na reforma?

Se a sua idade estiver compreendia entre os 18 e os 34 anos e tiver de escolher, é provável que troque parte do seu salário actual por uma maior segurança no futuro, conclui um novo estudo.
Trocaria parte do salário por maior segurança na reforma?
Reuters
Bloomberg 09 de Outubro de 2016 às 11:00

Soa estranho. É que os jovens americanos estão afogados em dívidas contraídas para fazerem a faculdade e estão a pagar bastante pelas casas que compram. Cerca de 65% dos jovens da chamada geração Y consultados pela Ernst & Young e pelo Economic Innovation Group disseram que "não ganham dinheiro suficiente para cobrir as despesas ou não conseguem economizar nada". E não é que eles dão prioridade às experiências - e não à experiência de suportar um trabalho penoso para economizar cada centavo para a velhice?


Sim e sim. No entanto, 60% dos jovens com idade entre 18 e 34 anos que participaram num inquérito da Willis Towers Watson – realizado junto de mais de 5.000 trabalhadores – disseram que se privariam de parte do salário se isso significasse uma reforma mais segura. Este total compara com os 42% que deram a mesma resposta no inquérito levado a cabo em 2009.


"Temos observado um aumento constante dessa percentagem na geração Y" depois da crise financeira, comentou Steve Nyce, economista sénior da Willis Towers Watson. "Esses jovens estão a ter dificuldades com o ambiente económico, tendo que lidar com níveis de endividamento que nenhuma outra geração teve que enfrentar, e muitos deles viram os seus pais - agora aposentados, ou prestes a reformarem-se - a passarem por turbulências significativas com a queda do mercado accionista em 2008-2009."


Trocar salário por uma reforma mais segura é uma escolha fácil quando não se trata de uma decisão real. Mas ela faz sentido, considerando o estado deplorável das poupanças-reforma nos EUA.


Os jovens podem estar especialmente ansiosos porque muitos não acreditam que a Segurança Social continuará a existir quando precisarem dela. Uma sondagem de 2014 realizada pelo Pew Research Center concluiu que apenas 6% dos jovens esperava que os benefícios actuais continuem disponíveis quando chegarem aos 67 anos e puderem receber os benefícios plenos. Mais de metade dos inquiridos pelo Pew acredita que o programa nem existirá quando eles estiverem a ponto de se aposentarem. É provável que ainda exista, mas com benefícios 25% menores.


O medo de entrar na reforma em regime de pobreza é uma insegurança extremamente comum. A maior parte dos jovens da geração X faria a troca. Alguns deles entrarão com um pedido de reforma antes de 2034, quando uma redução automática dos benefícios entrará em vigor, a menos que o financiamento do programa melhore de algum modo. E alguns deles têm algo que os trabalhadores mais jovens não podem nem sonhar: benefício de pensão garantido. Mesmo assim, a sondagem concluiu que 66% dessa geração também trocaria parte do salário por benefícios maiores na aposentação, em comparação com 50% em 2009.


Embora os jovens da geração Y sejam frequentemente retratados como frouxos e arrogantes, muitas pesquisas mostram que são inteligentes em relação às finanças. E uma segurança maior durante a reforma, que lhes permitirá aproveitar a vida com menos receios financeiros, pode valer a pena para eles, mesmo que signifique menos dinheiro no bolso hoje.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas


FP e CGA - SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

E não deixa de ser anedótico que o contribuinte que vê a sua reforma cada vez mais longe e mais baixa, ainda seja chamado para pagar as reformas da CGA.

Fica aqui a lista do pilim que a CGA consome ao OE (e que todos os contribuintes pagam):

Milhares de € - Pordata

Ano - Receitas CGA / Trf Orç. Estado / Despesa total

2008 - 2.298.320,0 / 3.396.097,0 / 6.705.927,0

2010 - 3.453.777,2 / 3.749.924,6 / 7.489.193,3

2012 - 2.846.863,0 / 4.214.632,7 / 7.196.785,9

2015 - 4.927.319,1 / 4.601.342,3 / 9.528.661,4

comentários mais recentes
Escravatura? Há 4 semanas

Já desconto todos os meses para assegurar a minha reforma.

Francisco António Há 4 semanas

Podemos ter propensão para poupar mas na realidade a maioria dos Portugueses não tem capacidade para tal ! Como os exemplos que vêm de cima vão em sentido contrário o que a malta gosta é de estádios de futebol, foguetório e grandes almoçaradas !

Anónimo Há 4 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

Anónimo Há 4 semanas


FP e CGA - SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

E não deixa de ser anedótico que o contribuinte que vê a sua reforma cada vez mais longe e mais baixa, ainda seja chamado para pagar as reformas da CGA.

Fica aqui a lista do pilim que a CGA consome ao OE (e que todos os contribuintes pagam):

Milhares de € - Pordata

Ano - Receitas CGA / Trf Orç. Estado / Despesa total

2008 - 2.298.320,0 / 3.396.097,0 / 6.705.927,0

2010 - 3.453.777,2 / 3.749.924,6 / 7.489.193,3

2012 - 2.846.863,0 / 4.214.632,7 / 7.196.785,9

2015 - 4.927.319,1 / 4.601.342,3 / 9.528.661,4

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub