Américas Trump acusa Obama de dificultar transição

Trump acusa Obama de dificultar transição

Donald Trump, vencedor das eleições do passado dia 8 de Novembro, será empossado a 20 de Janeiro de 2017, numa cerimónia pública junto ao edifício do Capitólio, em Washington.
Trump acusa Obama de dificultar transição
Reuters
Lusa 28 de dezembro de 2016 às 18:19

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou hoje o ainda chefe de Estado norte-americano, Barack Obama, de fazer declarações "inflamatórias" e de dificultar o processo de transferência de poder.

 

"Estou a fazer o meu melhor para ignorar os muitos obstáculos e declarações inflamatórias do Presidente [Barack Obama]. Pensei que a transição seria suave. Mas não!", escreveu o Presidente eleito na sua conta na rede social Twitter, sem especificar o género de obstáculos, nem as referidas declarações de Obama.

 

Donald Trump, vencedor das eleições do passado dia 8 de Novembro, será empossado a 20 de Janeiro de 2017, numa cerimónia pública junto ao edifício do Capitólio, em Washington.

 

Dois dias depois das eleições, Trump e Obama encontraram-se na Sala Oval, o escritório presidencial na Casa Branca, e tentaram colocar de lado as divergências e os ataques dos longos meses de uma campanha eleitoral agressiva e amarga. Na mesma altura, os dois manifestaram o desejo de realizar uma transição pacífica.

 

Na passada segunda-feira, durante uma entrevista, Obama afirmou acreditar que seria reeleito para um terceiro mandato caso a Constituição norte-americana permitisse a sua candidatura.

 

O Presidente eleito utilizou igualmente a rede social Twitter para responder a Obama: "Nem pensar!".

 

Também via Twitter, Trump manifestou mais uma vez o seu apoio a Israel, após o Conselho de Segurança das Nações Unidas ter votado na sexta-feira passada uma resolução que exigia o fim "imediato" da política de colonatos israelita em Jerusalém-leste, bem como nos territórios ocupados da Cisjordânia.

 

Os Estados Unidos abstiveram-se na votação da resolução, posição que gerou controvérsia e a ira de Telavive, uma vez que Israel sempre contou com o apoio de Washington neste dossier sensível. A posição norte-americana, que aconteceu pela primeira vez desde 1979, permitiu a adopção da resolução, aprovada pelos outros 14 membros do Conselho de Segurança.

 

"Não podemos continuar a deixar que Israel seja tratado com um total desprezo e com tal desrespeito", escreveu o multimilionário.

 

"Estavam habituados a ter um grande amigo nos Estados Unidos, mas já não é o caso. O início do fim foi aquele acordo horrível com o Irão [sobre o programa nuclear iraniano] e agora (na ONU)! Mantenha-se forte Israel, o dia 20 de Janeiro está próximo", acrescentou Trump.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Rado Há 3 semanas

Por favor não comparem o ilusionista político António Costa com Obama. Alhos com bugalhos não dá.

Anónimo Há 3 semanas

Esses comentários do Obama...é caso para dizer "é mesmo à preto"...tal qual o A.Costa a formar a geringonça

.

Anónimo Há 3 semanas

Uma sabemo-la:quando disse que se fosse candidato contra Trump ganharia,ora esta critica vai direitinha para a colega de partido que cantou vitoria antes do tempo.Quanto ao Obama pode deitar foguetes,eu penso que esses foguetes vao implodir,se tal acontecer deita por terra os 8 anos de presidencia.

pub
pub
pub
pub