Mundo Trump ameaça GM: ou produz nos EUA ou pagará "enormes impostos"

Trump ameaça GM: ou produz nos EUA ou pagará "enormes impostos"

Uma vez mais via Twitter, o presidente eleito dos Estados Unidos notou que a General Motors está a enviar para território americano, sem pagar impostos, um modelo produzido no México. E ameaça que ou produz nos EUA ou pagará "enormes impostos aduaneiros".
Trump ameaça GM: ou produz nos EUA ou pagará "enormes impostos"
Reuters
David Santiago 03 de janeiro de 2017 às 13:30

Fiel ao discurso utilizado durante a campanha eleitoral, o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, insistiu esta terça-feira, 3 de Janeiro, na defesa da ideia de que as grandes empresas americanas não devem continuar a utilizar a deslocalização como estratégia de maximização de lucros, caso contrário terão de pagar impostos aduaneiros mais altos.

 

Através da sua conta no Twitter, Donald Trump sustentou que o modelo Chevy Cruze da GM, que é produzido no México, é depois enviado para os vendedores de automóveis nos Estados Unidos sem que haja o pagamento de quaisquer impostos na fronteira.

Pelo que, avisa: "produzam nos EUA ou paguem enormes impostos aduaneiros", pode ler-se na publicação feita esta terça-feira no Twitter. Logo depois do aviso feito por Trump, os futuros da GM negociados antes da abertura de Wall Street caíram em torno de 1%. Na semana passada, num vídeo em que fazia um balanço dos feitos alcançados durante os oito anos enquanto presidente dos Estados Unidos, Barack Obama salientava precisamente a actual produção automóvel norte-americana, lembrando que depois de se falar na falência da GM hoje se registam níveis de produção recorde. 

 

Na senda da promessa de que conseguiria fazer com que várias empresas norte-americanas não deslocassem as suas unidades de produção para o exterior, Trump conseguiu recentemente chegar a acordo com a Carrier por forma a manter a fabricante de sistemas de ar-condicionado nos EUA, o que assegura a manutenção de cerca de mil postos de trabalho. Para o conseguir Trump comprometeu-se com a garantia de benefícios fiscais quantificados em 700 mil dólares.

 

Já esta terça-feira, a equipa de transição de Trump confirmou que o advogado Robert Lighthizer é o escolhido pelo futuro presidente para Representante de Comércio dos EUA, o que indicia que a próxima administração irá mesmo adoptar uma posição dura em relação à China.

 

"Ele possui grande experiência em assegurar acordos para proteger alguns dos mais importantes sectores da nossa economia", disse Trump em comunicado, acrescentando que Lighthizer "vai fazer um trabalho incrível a ajudar a reverter as políticas comerciais falhadas que tiraram prosperidade a tantos americanos". 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 03.01.2017

Nao foi tudo dito; ele sempre disse que as companhias americanas podem expandir por onde quizerem no mundo; so' que o que quizerem vender nos Estados Unidos, tera' de ser produzido nos Estados Unidos.

pertinaz 03.01.2017

SÓ CONVERSA

Anónimo 03.01.2017

Conversa para boi ouvir. Ao deslocalizar leva os mexicanos atrás para produzir o dito modelo. Aumenta os custos e mete mais Mexicanos no país....

Nuno 03.01.2017

Ai, ai, os mexicanos vão aumentar o imposto da Coca-Cola e o preço da Coca-Sem-Cola.

ver mais comentários
pub