Américas Trump aponta China e Rússia como ameaças na estratégia de segurança nacional

Trump aponta China e Rússia como ameaças na estratégia de segurança nacional

O presidente dos Estados Unidos vai divulgar o seu primeiro documento de estratégia de segurança nacional, que apelida a China e a Rússia de "competidores" e inclui a Coreia do Norte, o Irão e os grupos militantes do Estado Islâmico na lista de ameaças.
Trump aponta China e Rússia como ameaças na estratégia de segurança nacional
Reuters
Rita Faria 18 de dezembro de 2017 às 16:26

O primeiro documento sobre a estratégia de segurança nacional da administração Trump aponta a China e a Rússia como ameaças, descrevendo os dois países como "competidores" e "potências revisionistas" que procuram desafiar o poder norte-americano e diminuir a segurança e prosperidade dos Estados Unidos.

 

"Estão determinados [a China e a Rússia] a tornar as economias menos livres e menos justas, a aumentar o seu poder militar e a controlar informações e dados para reprimir as suas sociedades e expandir a sua influência", refere o documento que será apresentado esta segunda-feira pelo presidente norte-americano.

 

De acordo com os excertos que foram divulgados pela Casa Branca, e que estão a ser citados pela Reuters, os dois países exigem que Washington repense a política seguida nas últimas décadas, baseada na crença que a cooperação com países rivais e a sua inclusão nas instituições internacionais de comércio global "os transforma em actores benignos e em parceiros confiáveis". "Em grande medida, esta premissa revelou-se falsa", acrescenta o documento.

 

A estratégia de segurança nacional, que resulta de meses de deliberações do presidente e dos seus conselheiros, não inclui as alterações climáticas na lista de ameaças à segurança do país, ao contrário do que aconteceu no documento elaborado por Barack Obama no ano passado.

 

Essa postura ficou patente na garantia do presidente Trump de retirar os Estados Unidos do Acordo do Clima de Paris, caso não sejam feitas alterações. "Os Estados Unidos continuarão a ter uma abordagem que equilibra segurança energética, desenvolvimento económico e protecção ambiental", diz o documento.

 

De acordo com a Reuters, um responsável da administração Trump referiu que a Rússia e a China estão a tentar transformar o status quo – a Rússia na Europa com as suas incursões militares na Ucrânia e Geórgia, e a China na Ásia com as suas reivindicações no Mar do Sul da China.

 

A estratégia que será revelada esta segunda-feira cita também a Coreia do Norte, o Irão e os grupos militantes do Estado Islâmico como ameaças aos interesses dos Estados Unidos. "À medida que os mísseis crescem em número, tipo e eficácia, são os meios mais prováveis para estados como a Coreia do Norte usarem uma arma nuclear contra os Estados Unidos. A Coreia do Norte também está a desenvolver armas químicas e biológicas que podem ser disseminadas através de mísseis", refere o documento.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
5640533 Há 2 dias

Vá embora, melga demente!

pub