Américas Trump: Decisão do juiz sobre veto à imigração é "ridícula" e vai ser revertida

Trump: Decisão do juiz sobre veto à imigração é "ridícula" e vai ser revertida

Donald Trump já reagiu, de viva voz, à decisão do juiz James Robart de suspender a eficácia da ordem executiva que impede a entrada de cidadãos oriundos de sete países de maioria muçulmana e limita o acolhimento de refugiados.
Trump: Decisão do juiz sobre veto à imigração é "ridícula" e vai ser revertida
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 04 de fevereiro de 2017 às 13:22

O presidente norte-americano voltou a usar o Twitter, desta vez para criticar a decisão tomada pelo juiz James Robart de suspender o efeito da ordem executiva assinada há uma semana por Donald Trump e que limita a entrada de alguns estrangeiros e refugiados no país.


"A opinião desse dito juiz, que basicamente afasta o cumprimento da lei no nosso país, é ridícula e vai ser revertida!," escreveu numa de três mensagens consecutivas.

"Grande problema quando um país já não pode dizer quem pode entrar e sair, especialmente por razões de segurança. É interessante que alguns países do Médio Oriente concordem com a medida. Sabem que se certas pessoas entrarem significa morte e destruição," acrescentou.

A intenção de contestar a suspensão temporária da proibição de entrada de imigrantes de sete países de maioria muçulmana por três meses e a suspensão do programa de acolhimento de refugiados por quatro meses já tinha sido, esta madrugada, manifestada pelo porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer.

James Robart decidiu suspender a eficácia da ordem executiva até que a queixa apresentada pelo procurador-geral de Washington, Bob Ferguson, seja totalmente analisada.
 
A queixa de Ferguson defende que Trump violou os direitos dos imigrantes estabelecidos na Constituição, nomeadamente o da igualdade de tratamento. 

Na sequência da decisão do juiz Robart, a agência federal com responsabilidades na imigração informou as companhias aéreas que os vistos dos cidadãos do Irão, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iémen (os países abrangidos pelo impedimento) voltam a ser válidos e que esses passageiros devem ser aceites nos seus voos, refere a Lusa.

A Etihad Airways, a Qatar Airways e a Emirates disseram à Reuters que vão permitir o embarque nos seus voos aos passageiros anteriormente impedidos de entrar pela ordem de Trump, sujeito ao cumprimento das regras de aceitação que existiam antes da decisão do presidente norte-americano. Também a Air France, a Iberia, a Lufthansa e a Egypt Air começaram a aceitar aqueles passageiros.

(Notícia actualizada às 13:41 com mais informação)




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
EUROPEU 04.02.2017

Força Trump. Tal como na Europa os coveiros da civilização ocidental tambem lá estão

Anónimo 04.02.2017

Isto do Tramp foi um fartote para para o Costa, as pessoas esquecem-se que tem a BANCARROTA iminente e jovens licenciados empurrados para a emigração.

investidor1 04.02.2017

https://goo.gl/forms/3J12TVuOqjtlvqIP2

Obrigado!

Anónimo 04.02.2017

E é esse filho da fruta filho de imigrantes! Esse doido é capaz de provocar uma guerra nuclear pois também existem muitos doidos como ele! Desconfio que ele deve ser dono de fábricas de armamento e quer fomentar a economia! Não não ninguém capaz de lhe limpar o sebo/

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub