Política Monetária Trump deve anunciar Powell como novo presidente da Fed

Trump deve anunciar Powell como novo presidente da Fed

Na próxima quinta-feira, o presidente dos Estados Unidos anunciará quem vai ser o próximo líder do banco central do país. Várias fontes oficiais disseram a meios norte-americanos que o escolhido para substituir Janet Yellen será com Jerome Powell.
Trump deve anunciar Powell como novo presidente da Fed
Reuters
Carla Pedro 31 de outubro de 2017 às 00:29

Donald Trump anunciou que na próxima quinta-feira, 2 de Novembro, irá dizer quem vai presidir à Reserva Federal norte-americana a partir de Fevereiro de 2018. Nos últimos tempos, vários foram os nomes avançados, mas o nome que tem sido mais unanimemente apontado nos últimos dias é o de Jerome Powell (na foto).

 

E, a confirmarem-se as informações de fontes da Administração Trump a vários meios noticiosos, como o Politico, o New York Times e as agências Reuters e AP, será mesmo Powell – republicano de 64 anos que já foi membro da Reserva Federal - quem irá substituir Janet Yellen na presidência do banco central dos EUA.

No entanto, nada está certo. De acordo com outras fontes que falaram com o The Wall Street Journal, Trump não terá ainda formalizado a sua escolha. "E, dada a sua impulsividade, tudo é possível nos próximos dias", sublinhava ontem a Fortune.

Entre outros potenciais nomes para assumir o leme da Fed contava-se a própria Yellen, bem como Kevin Warsh [antigo membro da Reserva Federal], John Taylor, economista da Universidade de Stanford, John Allison, ex-CEO da BB&T, e Glenn Hubbard, economista da Universidade de Columbia.

 

Além disso, Trump também chegou a referir que tinha equacionado o nome de Gary Cohn, director do Conselho Económico Nacional da Casa Branca.

Quem é Powell? Nem pomba nem falcão, mas um mocho sábio

 

Jerome Hayden "Jay" Powell está na Fed desde 25 de Maio de 2012, sendo conhecido por defender políticas monetárias mais suaves – pelo que o seu nome é bem visto em Wall Street.

 

Powell foi "partner" no Carlyle Group e actualmente é membro do Conselho de Governadores da Fed, o órgão de administração do Sistema da Reserva Federal, tendo sido nomeado durante a presidência de Barack Obama.

 

O possível novo presidente da Fed tem sido considerado como moderado em termos de política monetária e económica. E não se mostra tão preocupado como Yellen com o facto de a inflação nos EUA estar ainda longe da meta dos 2%.

 

Na gíria da política monetária, imperam as pombas (que querem manter as taxas de juro em níveis baixos e promover o crescimento do emprego) e os falcões (são a favor de juros mais altos para controlar a inflação).

 

Janet Yellen é tida como pertencendo ao primeiro grupo por ser apologista de medidas de estímulo à economia [mesmo que isso faça subir a inflação acima do que se desejaria - o que, de qualquer das formas, não aconteceu, pois a inflação está ainda longe da meta proposta pela Fed].

 

Já Jerome Powell é tido como tendo uma postura mais "hawkish", sobretudo por não defender um endurecimento monetário em nome da estabilidade financeira. No entanto, também advoga ideias que pendem mais para o lado "dovish", sendo por isso considerado um homem que está quase no meio termo. Powell apoia, por exemplo, a recente ortodoxia da Fed, nomeadamente a subida gradual dos juros directores, sublinha o Financial Times.

 

Richard Fisher, ex-presidente da Fed de Dallasm considera, pois, que Powell não é "nem falcão bem pomba". "Costumava dizer que todos queremos ser mochos sábios. E penso que Powell se encaixa muito bem nessa categoria", sublinhou em declarações ao New York Times.

 

Ainda segundo Fisher, Powell é um moderado por defeito. "Durante um jantar, tentei que ele bebesse mais de dois copos de vinho, mas não o fez", recordou.


(notícia actualizada à 01:12)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub