Américas Trump e senador republicano insultam-se no Twitter por causa do plano fiscal

Trump e senador republicano insultam-se no Twitter por causa do plano fiscal

A anunciada oposição de Bob Corker à proposta de redução de impostos apresentada por Donald Trump colocou presidente e senador num fogo cruzado nas redes sociais. Com reparos que vão desde o "apanhador de cães" ao "centro de dia" na Casa Branca.
Trump e senador republicano insultam-se no Twitter por causa do plano fiscal
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 24 de outubro de 2017 às 16:49
Há mais uma polémica a envolver o presidente norte-americano e representantes do Congresso. Mas, desta vez, está em causa um senador republicano, oriundo do mesmo partido que suportou a candidatura de Donald Trump (e ele próprio um seu antigo apoiante) às eleições de Novembro do ano passado.

Numa série de mensagens no Twitter, colocadas ao início da tarde desta terça-feira, 24 de Outubro, o presidente norte-americano acusou Bob Corker – líder da comissão de relações internacionais do Senado - de ser um "incompetente" que levou os EUA "para trás" e fez com que o mundo risse do país.

"O Senador Corker é o líder incompetente do Comité de Relações Internacionais, & vejam o quão mal os EUA se têm saído. Ele não faz ideia de como o mundo inteiro ESTAVA a rir e a aproveitar-se de nós. Pessoas como o "pequeno" Bob Corker levaram-nos para trás. Agora, vamos em frente," escreveu Donald Trump.




A reacção tempestuosa do 45.º presidente norte-americano surge numa altura em que se perspectiva a oposição daquele senador republicano à proposta da reforma fiscal de Trump para os EUA e para cuja viabilização o voto de Corker poderá ser essencial num cenário de 52 senadores republicanos, 46 democratas e dois independentes. Corker opõe-se a cortes de impostos que aumentem o défice federal, como acontece com a proposta da actual administração, o que faz perigar a passagem da proposta naquela instância do Congresso.

Esta manhã Corker disse à NBC que esperava que a Casa Branca ficasse de fora do projecto de redução de impostos, deixando aos comités do Senado e da Câmara dos Representantes a tarefa de elaborar a proposta. "Acho que é a melhor forma de sermos bem-sucedidos.

Depois, à CNN, o senador afastou ainda qualquer possibilidade de apoiar Trump numa eventual candidatura à reeleição (ao contrário do que aconteceu em 2016, em que esteve ao lado da magnata do imobiliário), aludindo à dificuldade do presidente em lidar com a verdade. Foram essas declarações que inflamaram a resposta do presidente.

"É espantoso. Infelizmente, os líderes mundiais estão muito conscientes do quão inverdadeiro é o que ele diz. (…) Mas no final, quando o seu mandato terminar, penso na degradação da nossa nação, nas constantes mentiras, nos insultos... Penso que ele será recordado sobretudo pela degradação da nossa nação e isso é lamentável," afirmou Corker à estação de televisão – apontada por Trump como um dos bastiões das ‘fake news’ contra a sua administração.

"Não é triste que o peso-pluma Senador Bob Corker, que não conseguiu ser reeleito no Grande Estado do Tenessee, lute agora contra os Cortes de Impostor? (…) Bob Corker, que... não conseguiu ser eleito para apanhador de cães no Tennessee, está agora a combater os Cortes de Impostos ," respondeu Trump no Twitter, numa alusão à declaração de Corker não se querer recandidatar a novo mandato por aquele estado norte-americano.



"As mesmas inverdades por parte de um presidente completamente mentiroso. #AlertemA EquipaDoCentroDeDia", respondeu Corker cerca de 20 minutos depois, retomando uma expressão já usada no início de Outubro, também no Twitter, na qual se referia à Casa Branca como um "centro de dia para a terceira idade".


Uma "guerra" de "tweets" que poderá turvar o almoço semanal que, dentro de minutos, juntará Donald Trump e os senadores republicanos, onde o "prato forte" desta vez será o prometido plano fiscal de redução de impostos. 

Na sexta-feira passada o Senado deu o primeiro passo para viabilizar o plano, ao  luz verde à resolução orçamental para 2018, que prevê acrescentar 1,5 biliões de dólares ao longo da próxima década ao défice federal para suportar os cortes de impostos propostos, sem contar com o efeito positivo que poderá ter na economia.

A medida foi aprovada por 51 votos contra 49, tendo todos os democratas votado contra a proposta, além de um senador republicano, Rand Paul. Bob Corker votou a favor.

Segundo a Bloomberg, foi ainda viabilizado um procedimento que permitirá aos republicanos, por si só e sem necessidade dos democratas, aprovarem as alterações fiscais pretendidas, acelerando assim o processo.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

que ele nao veja o ridiculo ainda va que nao va. acho que tem um problema grave do foro psicologico. agora os americanos admitirem um bucal destes. nem o Bush filho conseguiu fazer fitas destas. um idiota

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Será que este senador não leu o programa de governo do Trump, ou estava à espera de um tacho?

General Ciresp Há 3 semanas

E melhor insultarem-se em casa do que fazelo na rua(com o porquinho norte coreano arracado de burroterres).

Anónimo Há 3 semanas

que ele nao veja o ridiculo ainda va que nao va. acho que tem um problema grave do foro psicologico. agora os americanos admitirem um bucal destes. nem o Bush filho conseguiu fazer fitas destas. um idiota

pub