Américas Trump escolhe para secretário do Trabalho empresário de fast-food que violava leis laborais

Trump escolhe para secretário do Trabalho empresário de fast-food que violava leis laborais

Andrew Puzder é a escolha de Donald Trump para secretário do Trabalho. Um magnata dos restaurantes fast-food, que se opõe à subida do salário mínimo e ao reforço dos direitos dos trabalhadores.
Trump escolhe para secretário do Trabalho empresário de fast-food que violava leis laborais
Reuters
Nuno Aguiar 09 de dezembro de 2016 às 16:46

O presidente eleito dos Estados Unidos manteve o perfil das suas nomeações e voltou a escolher um milionário para a sua Administração. Andrew Puzder, a sua escolha para liderar o Departamento do Trabalho, é o CEO da CKE Restaurants, dona da cadeia Carl’s Jr. A escolha está a ser interpretada como um favorecimento da gestão face aos trabalhadores.

 

"Ele vai salvar as pequenas empresas do peso insuportável das regulações desnecessárias que estão a travar o crescimento do emprego e a penalizar os salários", sublinhou Trump sobre a sua escolha, lembrando que Puzder "criou e fez avançar a carreira de milhares de americanos".

 

Esta escolha está a deixar os trabalhadores preocupados. Uma análise feita pelo Governo americano às cadeias de restaurantes Carl’s Jr. e Hardee’s - ambas da CKE - concluiu que em seis em cada dez investigações havia casos de violação de leis laborais, normalmente porque não estava a ser pago o salário mínimo ou o trabalho extraordinário não estava a ser remunerado correctamente. A indústria de fast-food é aquela em que se observa a maior incidência de violações. Um dos responsáveis pelo "Fight for $15", movimento de defesa dos direitos dos trabalhadores em cadeias fast-food, disse que escolher "Puzder como secretário do Trabalho é como colocar Bernie Madoff à frente do Tesouro".

 

Nos últimos anos, assistiu-se a um crescimento dos movimentos de protesto no sector, com greves e manifestações de trabalhadores, que pedem aumentos salariais, argumentando que as empresas para quem trabalham têm lucros elevados e os executivos são muito bem pagos. Na McDonald’s, por exemplo, o CEO ganha quase 1.200 vezes mais do que o "trabalhador médio".

 

Daquilo que se conhece das ideias de Puzder, dificilmente ele terá simpatia por estas reivindicações no futuro. Ele tem manifestado uma forte oposição ao aumento do salário mínimo nacional - actualmente nos 7,25 dólares a hora - para valores próximos dos 15 dólares pedidos pelos movimentos de trabalhadores. No máximo, admite que se possa avançar até aos 10 dólares. Hillary Clinton, por exemplo, defendia um aumento para 12 dólares.

 

"As pessoas vão querer contratar estes trabalhadores juniores por estes níveis elevados de salário mínimo, que vêm com Obamacare [seguro de saúde], licenças por doença e outros apoios que o Governo impõe às empresas e a esses trabalhadores?", questionava Puzder em Março, em declarações ao LA Times. O empresário considera que aumentar o salário mínimo apenas incentivará a robotização da economia. "Comecei a servir gelados na Baskin-Robbins por um dólar por hora. Aprendi muito sobre gestão de inventários e apoio ao cliente, mas é impossível que servir gelado valha 15 dólares à hora. Nunca ninguém pretendeu que fosse um emprego para sustentar uma família." O LA Times lembra que, se Puzder ganhava um dólar à hora em 1960, isso é equivalente a 7,5 dólares a preços actuais.

 

Puzder tem-se também manifestado contra a mudança das regras de pagamento de horas extraordinárias, que não são actualizadas desde a década de 70, escreve o New York Times. Outras duas críticas habituais do CEO são dirigidas ao Obamacare, a reforma de saúde implementada por Barack Obama, e ao subsídio de doença obrigatório, que considera ser um fardo muito grande para as empresas. Ou seja, um secretário do Trabalho que está contra leis que terá de defender no governo e que, em geral, favorecem os trabalhadores.

 

Os restaurantes da CKE são também acusados de utilizarem publicidade sexista, colocando normalmente mulheres semi-nuas a comer hambúrgueres. "Eu gosto dos nossos anúncios. Gosto de mulheres bonitas a comer hambúrgueres em bikini. Acho que é muito americano", defendeu.

 

Segundo o Wall Street Journal, a CKE tem 3.750 restaurantes fast-food em 44 estados e 40 países. Emprega cerca de 75 mil trabalhadores nos EUA e quase 100 mil em todo o mundo, com vendas que chegam aos 4,3 mil milhões de dólares.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 dia

ESTE AO MENOS NÃO ENGANA NINGUÉM

00SEVEN Há 1 dia

Se o Nuno não é porta voz da esquerda americana, parece e se é pago por isso não sei!
Sei que o ilustre próximo Ministro do Trabalho é recipiente das seguintes nomeações:
"PR News and CommCore Consulting named Puzder 2005 Spokesperson of the Year for his work in representing the Carl's Jr. and Hardee's brands on television and radio.[31] Puzder earned the Golden Chain Award in 2008 from Nation's Restaurant News, in honor of his accomplishments and career achievements as a multi-unit foodservice executive.[32] In 2009, Cleveland State University named Puzder Distinguished Alumni of the Year.[33] In 2010, the International Foodservice Manufacturers Association awarded Puzder with the Food Service Operator of the Year Silver Plate Award in recognition of outstanding service and dedication to the foodservice industry.[34] In 2012, Washington University School of Law named Puzder Distinguished Alumni of the Year.
Segundo Nuno Aguiar este é o violador das leis laborais!
Boa bola, Nuno

pub