Américas Trump homenageia Martin Luther King após atacar outra figura dos direitos civis

Trump homenageia Martin Luther King após atacar outra figura dos direitos civis

Donald Trump esteve reunido com Martin Luther King III, o qual considerou "construtivo" o diálogo que manteve com o Presidente eleito.
Trump homenageia Martin Luther King após atacar outra  figura dos direitos civis
Reuters
Lusa 17 de janeiro de 2017 às 07:17
O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, homenageou na segunda-feira Martin Luther King e encontrou-se com o seu filho mais mais velho, poucos dias após ter atacado John Lewis, outro ícone do dos direitos civis.

No dia em que os Estados Unidos prestam tributo a Martin Luther King por ocasião do aniversário do seu nascimento, Trump escreveu no Twitter: "Celebrem o Dia de Martin Luther King e todas as coisas maravilhosas que defendeu. Honrem-no pelo grande homem que foi!".

Donald Trump esteve reunido com Martin Luther King III, o qual considerou "construtivo" o diálogo que manteve com o Presidente eleito.

"Ele disse que vai representar os norte-americanos", algo que afirmou repetidamente, disse o filho mais velho do falecido líder do movimento de defesa dos direitos civis.

O encontro, a quatro dias da tomada de posse de Donald Trump, surge como um aparente gesto tranquilizador relativamente aos negros, após os ataques lançados contra John Lewis, congressista afro-americano eleito pela Georgia que foi companheiro de luta de Martin Luther King.

O activista dos direitos civis já fez saber, entretanto, que vai faltar, pela primeira vez desde que foi eleito em 1987, a uma tomada de posse, que tem lugar na sexta-feira, justificando a ausência com o facto de não ver em Donald Trump um Presidente "legítimo" após as alegadas tentativas da Rússia de interferir com as eleições norte-americanas.

O futuro 45.º Presidente dos Estados Unidos reagiu, no sábado, através de uma série de 'tweets', recuperando num deles o tema da sua campanha, à luz do qual os negros vivem em bairros pobres onde não têm acesso à educação e ao emprego.

John Lewis "deveria antes concentrar-se nos guetos em chamas infestados pelo crime", escreveu, entre outros, Donald Trump.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Ze Moca Há 1 semana

Quem nao souber o que e' < racismo negro> olhe para o < John Lewis, o monkey face>!!

comentários mais recentes
Ze Moca Há 1 semana

Quem nao souber o que e' < racismo negro> olhe para o < John Lewis, o monkey face>!!

Anónimo Há 1 semana

Mas ha alguem normal que possa apoiar o tal John Lewis , que diz nao reconhecer Donald Trump como Presidente eleito pelo povo; e' o tal que como toda a outra pretalhada choraram amargamente por nao poderem manter o rei deles iternamente no trono;

pub
pub
pub
pub