Américas Trump já mandou renegociar acordos comerciais

Trump já mandou renegociar acordos comerciais

Três dias após tomar posse, o presidente dos EUA ordena a revisão do tratado com Canadá e México e troca o acordo de parceria por entendimentos bilaterais com 11 países banhados pelo Pacífico.
Trump já mandou renegociar acordos comerciais
Reuters
António Larguesa 23 de janeiro de 2017 às 14:01

Donald Trump assinou esta segunda-feira, 23 de Janeiro, um decreto presidencial para dar início à renegociação do Acordo de Comércio Livre da América do Norte (NAFTA na sigla inglesa), que envolve o Canadá e o México.

 

Segundo noticia a CNBC, o novo presidente dos Estados Unidos prepara-se para ordenar também o abandono da Parceria TransPacífico (TTP) e o início de negociações, numa base individual, com os outros 11 países abrangidos até agora por esse acordo: Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Singapura e Vietname.

Depois de vários anos de negociações, esse acordo de associação comercial foi assinado em 2015 por 12 países que abarcam 40% da economia mundial, tendo Barack Obama sido um dos seus grandes impulsionadores. No entanto, a Parceria TransPacífico não chegou a ser ainda ratificada pelo Congresso americano, precisamente devido à oposição dos republicanos.

Para liderar essas negociações, o líder empossado na sexta-feira, 20 de Janeiro, escolheu Wilbur Ross, um velho amigo de 79 anos, com uma fortuna avaliada em 2,9 mil milhões de dólares, que colocou como responsável pela pasta do Comércio na nova administração. Será acompanhado por Robert Lighthizer, advogado republicano que Trump levou também para a Casa Branca, e Peter Navarro, professor de Economia da Universidade da Califórnia conhecido pelas suas críticas à China.


Pelo caminho, e metido numa gaveta, deverá ficar também, agora em definitivo, o Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP, na sigla inglesa), que esteve a ser negociado pela União Europeia e pelos Estados Unidos desde Junho de 2013, mas que não foi concluído até ao final do mandato de Barack Obama. Na campanha, Trump acusou mesmo o seu antecessor de promover um tratado comercial que iria provocar perda de empregos e a baixa dos salários.

Estas primeiras decisões, conhecidas no dia em que Trump recebe representantes empresariais e dos trabalhadores, confirmam as ideias de maior proteccionismo partilhadas durante a campanha eleitoral e repetidas no discurso de tomada de posse como 45.º presidente dos Estados Unidos, em que anunciou que vai "seguir duas regras simples: comprar e contratar americanos".

 

Trump sublinhou que a maior economia do mundo tem de proteger as suas fronteiras "da devastação causada por outros países que produzem os [seus] produtos, que roubam as [suas] empresas e destroem os [seus] empregos", adoptando o slogan nacionalista "América primeiro". Deixando claro que seguirá uma política proteccionista, com reflexos no comércio, impostos ou imigração, prometeu que esse proteccionismo "vai trazer grande prosperidade e poder" ao país.


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 23.01.2017

Esse acordo, TTP estava a ser feito para beneficiar 11 paises muito interessados no ivestmento das empresas americanas, e os estados unidos a zona de despejos dos produtos; apareceu o Trump de negocios, alto pa'ra o baile; deixou logo de servir para os 11! OS AMERICANOS NAO SAO NADA SOLIDA"RIOS !!!!!

comentários mais recentes
Tiago 23.01.2017

os dois mandados de Obama foi uma descraça economica o déficite aumentou 100% de 10000 bilioes de dolares passou a 20000 é evidente que com estes numeros o Pais precisa de um bombeiro

Anónimo 23.01.2017

Esse acordo, TTP estava a ser feito para beneficiar 11 paises muito interessados no ivestmento das empresas americanas, e os estados unidos a zona de despejos dos produtos; apareceu o Trump de negocios, alto pa'ra o baile; deixou logo de servir para os 11! OS AMERICANOS NAO SAO NADA SOLIDA"RIOS !!!!!

pub
pub
pub
pub