Mundo Trump para Pequim: ou ajudam na Coreia do Norte ou não terão bom acordo comercial

Trump para Pequim: ou ajudam na Coreia do Norte ou não terão bom acordo comercial

Em dois tweets publicados de seguida, Donald Trump deixou vários avisos à China. Primeiro disse que se Pequim ajudar à resolução do problema na Coreia do Norte terá um acordo comercial "bem melhor" com os EUA. E se não ajudar, "resolveremos o problema sem eles", o que prenuncia uma eventual acção unilateral contra Pyongyang.
Trump para Pequim: ou ajudam na Coreia do Norte ou não terão bom acordo comercial
Reuters
David Santiago 11 de abril de 2017 às 14:21

Sabe-se pouco do que aconteceu e de como decorreu a cimeira bilateral entre Donald Trump e Xi Jinping, na casa de férias do presidente americano em Mar-a-Lago, Flórida. Mas claramente a questão relacionada com a Coreia do Norte não ficou resolvida entre os presidentes das duas maiores potências económicas e militares do mundo.

 

Através da rede Twitter, Trump diz ter explicado a Jinping, o presidente chinês, que Pequim terá um acordo comercial com os Estados Unidos "bem melhor" se a China ajudar a "resolver o problema na Coreia do Norte". 

Num tweet publicado logo depois, o presidente americano sustenta que "a Coreia do Norte está a procura de problemas" e avisa que se a China decidir não contribuir na resolução desta questão, então "resolveremos o problema sem eles". 


Sendo difícil medir o real alcance destas declarações, aparentemente Trump põe em cima da mesa duas possibilidades, qualquer uma delas de impacto desconhecido: a primeira por uma espécie de retaliação comercial de Washington contra Pequim, o que poderia abrir a porta a um género de guerra comercial entre os dois países; e a segunda configura uma eventual resposta militar dos EUA contra o regime liderado por Kim Jong-un.

 

No último sábado, um dia depois do final da cimeira entre Trump e Jinping, o porta-aviões USS Carl Vinson teve ordens para alterar a rota e encaminhar-se para a península coreana, uma acção que representa uma mensagem para dois destinatários: Coreia do Norte e China, velhos aliados desde a Guerra da Coreia dos anos 1950, em que as forças chinesas apoiaram a Coreia do Norte na guerra contra a Coreia do Sul, por sua vez apoiada pelos Estados Unidos.

 

Mas a China terá sido mesmo o principal destinatário desta mensagem, com os Estados Unidos a demonstrarem disponibilidade para recorrer à força militar em resposta ao continuado desenvolvimento de armamento nuclear pelo regime ditatorial da Coreia do Norte.

Até porque o recém-nomeado conselheiro para a Segurança Nacional de Trump, Herbert McMaster, justificou esta decisão com a necessidade de responder ao "comportamento provocatório" de Pyongyang, acrescentando que o presidente americano solicitou ao Pentágono a apresentação de um "conjunto amplo de opções para acabar com a ameaça" que representa o regime da Coreia do Norte para o povo americano e também para os aliados de Washington naquela região, desde logo a Coreia do Sul. 

Coreia do Norte preparada para qualquer tipo de guerra

A Coreia do Norte não se ficou e já respondeu, alertando para as "consequências catastróficas" que poderão resultar das "acções ultrajantes" norte-americanas, segundo declarações atribuídas a um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do país e citadas pela agência noticiosa estatal KCNA.

 

A Coreia do Norte "está pronta para reagir a qualquer tipo de guerra promovida pelos Estados Unidos", cita ainda a KNCA. De acordo com esta agência, o regime norte-coreano sustenta que "a prevalecente situação grave prova, uma vez mais, que a decisão [da Coreia do Norte] de aumentar em todos os sectores as suas capacidades militares, com a força nuclear como eixo, para ataques de autodefesa e preventivos". 

Desde a tomada de posse como presidente dos Estados Unidos, Trump tem falado na importância de Pequim ter uma acção decisiva por forma a dissuadir Pyongyang dos intentos nucleares. Se é verdade que a China condenou com firmeza o alegado ensaio com uma bomba de hidrogénio realizado pela Coreia do Norte em Janeiro do ano passado, não é menos verdade que desde então pouco foi feito em concreto para diminuir a capacidade nuclear do regime norte-coreano. Ainda assim, esta segunda-feira a China e a Coreia do Sul acordaram reforçar as sanções aplicadas à Coreia do Norte se Pyongyang persistir em realizar novos ensaios nucleares.

(Notícia actualizada às 14:29 com reacção da Coreia do Norte)


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Esse porco norte-coreano tem de ser mesmo eliminado! Brinca com tudo e com todos! Provocou a humanidade! Está na hora de apanhar uma boa lição e espero que o Presidente Trump lhe dê resposta imediata!

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Os polícias do mundo (USA) estão em todas!
E ou se está com eles... ou contra eles. Não há mais alternativas.
Nota: Em nenhum momento da história, foi positivo a supremacia dos poderes monopolistas...

Anónimo Há 1 semana

Esse porco norte-coreano tem de ser mesmo eliminado! Brinca com tudo e com todos! Provocou a humanidade! Está na hora de apanhar uma boa lição e espero que o Presidente Trump lhe dê resposta imediata!

Anónimo Há 1 semana

O te'pido Obama, era muito mais meigo, nao era?

pub
pub
pub
pub