Américas Trump pede que jogadores sejam banidos se se ajoelharem durante o hino

Trump pede que jogadores sejam banidos se se ajoelharem durante o hino

O conflito entre o presidente dos EUA e a NFL continua. Agora Trump pediu que os jogadores que não respeitem o hino nas cerimónias antes dos jogos sejam banidos.
Trump pede que jogadores sejam banidos se se ajoelharem durante o hino
Reuters
Nuno Carregueiro Carla Pedro 26 de setembro de 2017 às 15:57

O presidente dos Estados Unidos deitou mais achas para a fogueira do caso que o opõe aos jogadores de futebol americano. Para Donald Trump, a solução passa por banir os atletas que optarem por se ajoelhar durante o hino do país em forma de protesto.

 

A National Football League (NFL, a liga de futebol americano dos EUA) "tem todo o tipo de regras e regulamentos. A única saída que tem agora é criar uma regra que defina que [os jogadores] não se podem ajoelhar durante o hino nacional", escreveu esta manhã o presidente dos EUA no twitter, escalando um conflito que ganhou dimensão este fim-de-semana. 


Às primeiras críticas do presidente dos Estados Unidos, os jogadores e a NFL responderam de forma quase unânime com o procedimento de se ajoelharem durante o hino, ou mesmo ignorá-lo, durante as cerimónias que antecedem os jogos.

 

Se agora está a pedir à NFL que os jogadores sejam banidos, antes o presidente dos EUA já tinha pedido aos donos das equipas de futebol (alguns deles seus amigos e apoiantes dos Republicanos) que despedissem os atletas que não respeitassem o hino.

 

"Se os adeptos da NFL se recusassem a ir aos jogos até que os jogadores deixassem de faltar ao respeito à nossa bandeira e país, veriam mudanças rápidas. Despeçam-nos ou suspendam-nos!", 'twittou' Trump no fim-de-semana.

 

Isto depois de na sexta-feira, durante um comício, ter pedido um boicote aos jogos por parte do público. O presidente norte-americano foi longe na linguagem, ao sugerir aos proprietários das equipas que dissessem aos desportistas rebeldes "tirem esse f... da p... do campo agora mesmo".

  

A verdade é que a vaga de protestos inundou as imagens de televisão durante todo o domingo, com jogadores, treinadores e proprietários dos clubes unidos, com um joelho no relvado e braços entrelaçados: em Foxborough, Massachussetes, 15 dos jogadores dos New England Patriots, campeões em título, deram o exemplo.

 

Hillary Clinton juntou-se às vozes críticas dos procedimentos de Trump, acusando-o de estar a perseguir os jogadores negros e de aumentar a tensão racial que existe no país. "Ele é muito estratégico no ataque que faz e está a passar a mensagem. É um grande latido para a sua audiência", afirmou em entrevista à CBS.

 

Entre os críticos de Trump há também quem alegue que o presidente dos Estados Unidos está a criar esta manobra de diversão para retirar as atenções do seu plano fiscal, que deverá ser apresentado amanhã pelos republicanos.

 

Um protesto com mais de um ano

 

A origem deste gesto remonta ao Verão de 2016, quando o ex-'quarterback' dos San Francisco 49ers, o afro-americano Colin Kaeernick, se ajoelhou – provocando assim um escândalo nacional - em sinal de protesto contra os assassinatos de vários negros às mãos de polícias brancos. "Não me vou levantar para mostrar orgulho pela bandeira de um país que oprime a gente negra e de cor", justificou o atleta, actualmente sem clube.

 

Desde então vários jogadores seguiram o procedimento de Kaeernick, alegando que estão a protestar contra a falta de justiça social e não contra o país ou a sua bandeira.

 

No sábado, o Trump também chocou com o basquetebol, quando retirou o convite a Stephen Curry, estrela da NBA, e aos campeões Golden State Warriors para irem à Casa Branca. "Ir à Casa Branca é considerado uma grande honra para uma equipa campeã. Stephen Curry duvida. Como tal, o convite está retirado", disse, novamente no twitter.

 

Curry tinha dito que não queria que a equipa visitasse a Casa Branca, onde as equipas campeãs costumam ser homenageadas, em protesto contra o mandato de Trump. Em resposta ao presidente, a equipa, que recebeu várias mensagens de apoio e solidariedade, disse que iria a Washington em Fevereiro para celebrar a "igualdade, a diversidade e a inclusão".




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Skizy Há 3 semanas

Grande cromo. Entre ele e a kim joao qual o maior.

Neves Há 3 semanas

Despedir e esta fesolvido,corram com essa cambada

manuelfaf Há 3 semanas

Igualdade, respeito, sim claro, mas desde que penses como eu. Se tal não acontecer, não mereces respeito e és um fdp...Os extremistas, fanáticos e terroristas nem sempre têm barba e turbante...

pub
pub
pub
pub