Defesa Trump proíbe pessoas transgénero de prestarem serviço militar

Trump proíbe pessoas transgénero de prestarem serviço militar

Numa série de três tweets, o presidente norte-americano abre nova frente de polémica, depois de durante a campanha eleitoral ter prometido defender os direitos dos cidadãos LGBT. Trump justifica medidas com "custos" e "rupturas".
Trump proíbe pessoas transgénero de prestarem serviço militar
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 26 de julho de 2017 às 14:38
O presidente norte-americano anunciou esta quarta-feira, 26 de Julho, que não permitirá que pessoas transgénero desempenhem qualquer função militar ao serviço dos Estado Unidos.

"Depois de consultas com os meus Generais e peritos militares, estejam cientes que o Governo dos Estados Unidos não aceitará ou permitirá... que indivíduos transgénero sirvam em qualquer função nos serviços militares dos EUA. Os nossos militares devem estar focados na vitória decisiva e esmagadora... e não podem ser sobrecarregados com os tremendos custos médicos e as rupturas que implicaria ter transgéneros nos serviços militares. Obrigado," escreveu Donald Trump no Twitter.



A integração de funcionários transgénero (com uma identidade de género diversa da atribuída à nascença ou que não é claramente feminina ou masculina) nos serviços militares norte-americanos tinha sido decidida em 2016 pelo então presidente Barack Obama.

A medida deveria ter efeito este ano e seria aplicada, de acordo com a Reuters, a cidadãos que nos últimos 18 meses tivessem apresentado uma "estabilização" na identidade de género adoptada. Entretanto, o secretário da Defesa da administração Trump, Jim Mattis, implementou uma moratória de seis meses para a introdução da medida.

O New York Times nota que a decisão de Trump coincide com o debate no Congresso da prática decidida pela administração Obama de ser o Pentágono a suportar financeiramente os tratamentos médicos relacionados com a mudança de identidade de género.

Segundo o think-tank RAND Corporation, os custos com estes tratamentos oscilam entre 2,4 e 8,4 milhões de dólares por ano, num orçamento global de 49,3 mil milhões de dólares para gastos de saúde do Departamento da Defesa em 2014.

A decisão de Trump chega depois de, há pouco mais de um ano, depois do ataque à discoteca Pulse em Orlando, e em plena campanha eleitoral, ter garantido à comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgénero) que lutaria pelos seus direitos, ao contrário - disse - do que a sua adversária Hillary Clinton faria.

"Obrigado à comunidade LGBT! Lutarei por vós enquanto Hillary traz mais pessoas que vão ameaçar as vossas liberdades e crenças," escreveu na altura, também na rede social Twitter, uma publicação aqui reproduzida pelo meio Axios.
Há, de acordo com dados divulgados no ano passado pelo RAND Corporation, cerca de 2.500 pessoas transgénero no activo com funções militares nos EUA, a que se juntam mais 1.500 pessoas na reserva.

Numa mensagem colocada na mesma rede social, a Human Rights Campaign, a maior organização norte-americana de defesa dos direitos das pessoas LGBT, considerou que a medida "prejudica a prontidão militar e põe vidas em risco". Os números da HRC diferem dos do RAND Corporation: a organização afirma que há mais de 15 mil pessoas transgénero a prestar serviço militar nos EUA. 

(Notícia actualizada às 15:01 com mais informação)



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Trump proíbe pessoas transgénero de prestarem serviço militar

E ACHO MUITO BEM!
JÁ VIRAM O PROBLEMA QUE IAM TER COM AS CASAS DE BANHO?

NO MEU TEMPO QUANDO OS ESCURCIONISTAS PARAVAM PARA FAZER CHI-CHI, SIM, PORQUE NÃO HAVIA ÁREAS DE SERVIÇO, O CONDUTOR GRITAVAA:

HOMENS PARA A DIREITA, MULHERES PARA A ESQUERDA E MARICAS "ATRÁS"!

comentários mais recentes
Camponio da beira Há 3 semanas

Acho bem.,No meu tempo dois gajos gays que lá havia, as confusões e desestabilizaçao que arranjavam eram tantas que foram parar à "casa das ratas".

Anónimo Há 3 semanas

então aí os Marricas do JN NÃO DEIXAM O PESSOAL VOTAR NOS COMENTÁRIOS?
DEPOIS ADMIRAM-SE QUE OS HOMOFÓBICOS AUMENTEM DE NUMERO!

Anónimo Há 3 semanas

JÁ VIRAM A CONFUSÃO QUE ISTO GERAVA!
PASSAVA~SE A DIZER GENERAL OU GENERALA?

Anónimo Há 3 semanas

Trump proíbe pessoas transgénero de prestarem serviço militar
LÁ ESTÁ ESTE ARMADO EM GENTIL MARTINS!

ver mais comentários
pub