Mundo Trump promete "grande investigação" a fraude eleitoral

Trump promete "grande investigação" a fraude eleitoral

O presidente norte-americano disse que irá solicitar a abertura de uma "grande investigação" ao que classifica de eventual fraude eleitoral nas presidenciais de 8 de Novembro. Trump promete "reforçar os procedimentos de votação".
Trump promete "grande investigação" a fraude eleitoral
Reuters
David Santiago 25 de janeiro de 2017 às 13:59

O recém-empossado presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou esta quarta-feira, 25 de Janeiro, que vai pedir que seja aberta uma "grande investigação" ao que diz ter configurado uma "fraude eleitoral" durante o processo das presidenciais no passado dia 8 de Novembro.

 

"Vou solicitar uma grande investigação à fraude eleitoral, incluindo aquelas [situações de pessoas] registadas para votar em dois estados, aquelas ilegais, aquelas registadas para votar que estão mortas (e muitas há já muito tempo)", escreveu Trump na sua conta na rede Twitter, prometendo que "dependendo dos resultados, iremos reforçar os procedimentos de votação".

 

As garantias hoje dadas por Donald Trump são uma resposta às críticas feitas no início desta semana às alegações feitas pelo presidente americano sobre a existência de milhões de votos ilegais nas presidenciais de Novembro. Além de Trump, também o seu secretário para a imprensa corroborou as declarações feitas pelo presidente. Nenhum dos dois apresentou qualquer prova.

 

Em Outubro, numa altura em que Trump surgia em queda nas sondagens, o agora residente na Casa Branca declarou em várias ocasiões que as eleições estavam "viciadas", tendo mesmo deixado implícito que poderia não aceitar o resultado eleitoral se não fosse ele o vencedor.

 

Apesar das várias alegações feitas sobre potenciais fraudes nas eleições presidenciais americanas, as autoridades de 50 estados (exceptuando o Kansas que não respondeu) sustentaram não ter identificado qualquer fraude generalizada. Ainda assim, alguns estados reportaram a ter recebido queixas sobe a existência de um largo número de alegações de fraude.

 

Ainda em Novembro, um conjunto de académicos e activistas instaram as autoridades norte-americanas a realizarem uma auditoria ao processo eleitoral ou uma recontagem dos votos validados em alguns dos estados considerados chave (Michigan, Pensilvânia e Wisconsin) para o resultado final das presidenciais ganhas por Trump. 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 dia

Segundo se suspeita, mais de dois milhoes de clandestinos fora autorizados a votar , afin de garantir a vitoria de Clinton; mesmo assim falhou!!

comentários mais recentes
fern barreira Há 1 dia

"trump o revolucionario"! presisamos urgentement de trumps na europa

Anónimo Há 1 dia

Segundo se suspeita, mais de dois milhoes de clandestinos fora autorizados a votar , afin de garantir a vitoria de Clinton; mesmo assim falhou!!

Anónimo Há 1 dia

Obama disse na sua saida que não há provas que os Russos fizeram pirataria informatica. Estorias das prostitutas uma escandolasa tentativa de descrediblizar Trump. Fotografia tirada muito sedo no dia quando o Trump nem estava em palco para provar que houve menos pessoas na inauguracão, vergonhoso.

CaTu Há 2 dias

Esta investigação será concretizada com "factos alternativos" e resultará numa conclusão alternativa que só será compreendida por americanos alternativos

pub
pub
pub
pub