Mundo Trump reage a teste nuclear da Coreia do Norte: "só percebem uma coisa"

Trump reage a teste nuclear da Coreia do Norte: "só percebem uma coisa"

Foi no Twitter que o presidente dos Estados Unidos reagiu este domingo aos testes balísticos protagonizados pela Coreia do Norte.
Trump reage a teste nuclear da Coreia do Norte: "só percebem uma coisa"
Negócios 03 de setembro de 2017 às 13:15
Três tweets escreveu até agora Donald Trump em reacção aos testes nucleares da Coreia do Norte. Sugeriu ter razão nas chamadas de atenção que tem feito. "A Coreia do Sul tem descoberto, como lhes tenho dito, que as conversas apaziguadoras com a Coreia do Norte não vão resultar, eles só percebem uma coisa!".



Foi a frase mais incisiva que Trump escreveu hoje no Twitter, onde deu o tom de ameaça. "A Coreia do Norte realizou um teste nuclear grande. As suas palavras e actos continuam a ser muito hostis e perigosos para os Estados Unidos", começou Trump por dizer, acrescentando que a Coreia do Norte é uma nação desonesta e tornou-se "numa grande ameaça e embaraço para a China, que tem tento ajudar, mas com pouco sucesso".


O Governo dos Estados Unidos está a avaliar a criação de novas sanções contra a Coreia do Norte, na sequência do último teste nuclear realizado pelo regime norte-coreano, afirmou por seu lado o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin. "Podemos fazer muito para isolá-los [à Coreia do Norte] economicamente, muito mais do que já fizemos", frisou Steven Mnuchin, numa entrevista à cadeia televisiva americana Fox, citado pela Lusa.

O secretário do Tesouro adiantou que planeia criar um esboço com novas sanções para a Coreia do Norte e pô-lo à disposição do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para que o analise.

"Falei com o Presidente e está claro" que o comportamento do regime liderado por Kim Jong-un "é completamente inaceitável", disse.

Face ao anúncio do novo teste nuclear norte-coreano, o Presidente dos Estados Unidos vai reunir-se hoje com a sua equipa de segurança nacional, anunciou a Casa Branca.

A Coreia do Norte anunciou este domingo ter feito um testeo bem sucedido com uma bomba de hidrogénio mais avançada. Por todo o mundo, a condenação a este teste já se fez ouvir. 

O Governo chinês já condenou "vigorosamente" o ensaio nuclear realizado pela Coreia do Norte e desafia o regime de Pyongyang a "parar de agravar a situação" com "gestos que não servem os seus interesses".

A Coreia do Norte "ignorou a oposição generalizada da comunidade internacional e efectuou um novo teste nuclear. O Governo chinês expressa a sua oposição e condena vigorosamente" esta acção, sublinha um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros do executivo de Pequim, citado pela Lusa.

A China lançou mesmo um plano de urgência para controlar os níveis de radiação ao longo da sua fronteira com a Coreia do Norte, após o sexto ensaio nuclear realizado por Pyongyang, anunciou o Ministério do Ambiente chinês.

Também o Presidente sul-coreano apelou a uma "punição mais forte" da Coreia do Norte. O presidente sul coreano, Moon Jae-in, afirmou que Seul "nunca permitirá à Coreia do Norte continuar a avançar com as suas tecnologias nucleares e de misseis".

Moon também defendeu a aplicação de sanções mais graves por parte do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) para aumentar "o isolamento do regime liderado por Kim Jong-un".


Os governos da Coreia do Sul e do Japão condenaram o ensaio nuclear e anunciaram que vão solicitar uma nova reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

A Rússia considerou, por sua vez, representar "uma séria ameaça para o mundo", e insistiu que todas as partes implicadas no conflito na península coreana devem voltar ao diálogo. "O enésimo desprezo ostentatório por parte de Pyongyang das resoluções do Conselho de Segurança da ONU e das normas do direito internacional merece uma firme condenação", refere um comunicado emitido pelo Ministério das Relações Exteriores russo, citado pela Lusa.

O Presidente de França, Emmanuel Macron, apelou à comunidade internacional para reagir "com a maior firmeza", após o novo ensaio nuclear da Coreia do Norte, que considera que "afecta a paz e a segurança". "O Presidente da República apela aos membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas a reagir rapidamente a esta nova violação pela Coreia do Norte do direito internacional (...)", disse o Eliseu em comunicado, que pede também uma reacção "unida e clara" da União Europeia.


E numa conversa telefónica com a chanceler alemã Angela Merkel, os dois líderes defenderam o "endurecimento" das sanções da União Europeia à Coreia do Norte. Em comunicado, dizem ter concordado que "a última provocação lançada pelo dirigente de Pyongyang atingiu uma nova dimensão".

E Londres apontou as sanções como uma opção para abordar a crise com a Coreia do Norte.

(Notícia actualizada às 16H13 com mais reacções)






A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Rapaz Há 2 semanas

O mal só prolifera, quando os Homens bons se calam infinitamente! Quanto mais cedo for resolvido este assunto, menor serão os seus custos, embora atualmente e por cobardia e exibicionismo do Obama, os custos tenham que ser enormes. A ONU é um bando de loucos oportunistas, senis, inoperantes, e autistas, completamente desligados da realidade! Estejam atentos aos chantagistas de esquerda!

comentários mais recentes
Luis Há 2 semanas

Isto é um não assunto. Isto faz apenas que os EUA vendam biliões em defesa, à Coreia do Sul e Japão. Pior do que Índia e PAquistão ninguém se dá, e ambos têm armas nucleares e nunca houve problema. A França e a Inglaterra têm armas nucleares e os europeus não andam em pânico com medo deles, só por serem vizinhos. A Coreia do Norte, aquele não país, não tem interesse em qualquer expansão. São uns pobres diabos que, no entanto, estão sempre na lista dos EUA como uns perigosos bandidos para o mundo. Com isso, os EUA mantém uma indústria de armas que dá muito dinheirinho. Alguma vez houve tanta ameaça como agora? Mas aquela figura já está no poder há muito. Quem chegou novo foi o Trump, cujo cabelo se bate com o do 'chinoca'.

... QUE PODE LANÇAR O MUNDO NUM CONFLITO NUCLEAR Há 2 semanas

Os EUA são o expoente do ultraliberalismo, onde o dinheiro foi erigido à condição de verdadeiro deus.
Porém, isto não inibe de discorrer q foi espantoso e lamentável o discurso de JERÓNIMO, q tt fala em paz, ao branquear, por omissão, na Festa do Avante, o criminoso regime da COREIA DO NORTE ...

Rapaz Há 2 semanas

O mal só prolifera, quando os Homens bons se calam infinitamente! Quanto mais cedo for resolvido este assunto, menor serão os seus custos, embora atualmente e por cobardia e exibicionismo do Obama, os custos tenham que ser enormes. A ONU é um bando de loucos oportunistas, senis, inoperantes, e autistas, completamente desligados da realidade! Estejam atentos aos chantagistas de esquerda!

Aliança povo/MFA Há 2 semanas

Eu sou comunista e alentejano ,logo não há bomba cominista que me faça mal ó Trampas. essas bombas são inteligentes escolhem pelo chero

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub