Américas Trump reconsidera investigação a Clinton porque não quer "prejudicá-la"

Trump reconsidera investigação a Clinton porque não quer "prejudicá-la"

O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, disse no domingo que está a reconsiderar a ideia de nomear um procurador especial para investigar Hillary Clinton pelo caso dos 'emails', porque não quer "prejudicá-la" nem ao marido, Bill Clinton.
Trump reconsidera investigação a Clinton porque não quer "prejudicá-la"
Reuters
Lusa 14 de novembro de 2016 às 07:45

"Vou pensar nisso. Não quero prejudicá-los", disse Trump durante uma entrevista no programa "60 minutes" no canal de televisão CBS, a sua primeira aparição televisiva após vencer as eleições presidenciais de 8 de Novembro.

 

"Quero concentrar-me nos empregos, nos cuidados de saúde, quero concentrar-me na fronteira e na imigração, e fazer um projecto de lei sobre imigração que seja realmente bom. Queremos ter uma boa lei de imigração", disse, enumerando as prioridades do seu futuro Governo.

 

No entanto, Trump considerou que Hillary Clinton, que disputou consigo as presidenciais, "fez coisas muito más" ao usar servidores de correio electrónico privados para tratar de assuntos oficiais quando era secretária de Estado (2009-2013), o que fez com que fosse investigada pelo FBI, que acabou por considerar não haver matéria para avançar com acusações contra ela.

 

O director do FBI, James Comey, a 11 dias das eleições, anunciou novas investigações a Clinton, que foram fechadas dois dias antes da votação sem que fosse descoberto qualquer elemento incriminatório.

 

Questionado sobre Comey, Trump disse que o "respeita muito" e assegurou que ainda não tomou uma decisão sobre o cargo que este ocupa.

 

O cargo de director do FBI é independente do resultado das eleições e se o novo Presidente o desejar, Comey pode continuar a ocupar a posição.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub