Política Trump retira formalmente os Estados Unidos da Parceria TransPacífico

Trump retira formalmente os Estados Unidos da Parceria TransPacífico

O presidente dos Estados Unidos retirou o país da TPP, reduziu a ajuda americana a grupos que oferecem ou promovem abortos no exterior, e estabeleceu um congelamento imediato das contratações, a nível federal.
Trump retira formalmente os Estados Unidos da Parceria TransPacífico
Jonathan Ernst/Reuters
Rita Faria 23 de janeiro de 2017 às 18:48

Donald Trump retirou formalmente os Estados Unidos da Parceria TransPacífico (TPP) esta segunda-feira, 23 de Janeiro, dando cumprimento à promessa de abandonar este acordo assim que assumisse a liderança da Casa Branca. O país assina, desta forma, o seu afastamento dos aliados asiáticos, numa altura em que a influência da China está a crescer na região.

 

"É uma coisa importante para os trabalhadores americanos, o que acabámos de fazer", afirmou o presidente norte-americano, após assinar, na Sala Oval, o decreto presidencial que formaliza a retirada dos Estados Unido deste pacto de 2015 entre 12 países que, segundo os republicanos, seria prejudicial para o sector industrial.

 

O acordo, apoiado fortemente pelas empresas norte-americanas, foi negociado pela administração do antigo presidente Barack Obama, mas nunca chegou a ser aprovado pelo Congresso, precisamente devido à oposição republicana.

 

A parceria – assinada em 2015 entre os Estados Unidos, Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Singapura e Vietname – era um pilar central da estratégia de Obama na região Ásia Pacífico para combater o crescimento desmesurado da influência da China.

 

Além desta medida, Trump decidiu ainda reduzir a ajuda americana a grupos que oferecem ou promovem abortos no exterior, e estabelecer um congelamento imediato das contratações, a nível federal, que exclui as forças armadas. "Excepto os militares", sublinhou Trump enquanto assinava o decreto.

 


Esta segunda-feira, o chefe de Estado já havia assinado um outro decreto para dar início à renegociação do Acordo de Comércio Livre da América do Norte (NAFTA na sigla inglesa), que envolve o Canadá e o México.

 

Estas foram as principais medidas postas em prática pelo recém-empossado presidente que, no seu terceiro dia completo no cargo, esteve ainda reunido com uma dezena de empresários na Casa Branca. Nesse encontro, anunciou que a sua administração pode cortar a regulação a que as empresas estão sujeitas em 75% "ou talvez mais".

"Vamos cortar a regulamentação de forma maciça", mas as regras serão igualmente "protectoras" para as pessoas, afirmou o presidente dos Estados Unidos aos jornalistas, citado pela CNBC, na reunião que contou com empresários como o CEO da Tesla, Elon Musk, e Kevin Plank, CEO da Under Armour.

No encontro, o novo líder da Casa Branca reiterou ainda a sua intenção de baixar a carga fiscal sobre as empresas, reduzindo o imposto (equivalente ao IRC) dos actuais 35% para 20% a 15%. Trump sublinhou também que pretende recompensar as empresas que produzem nos Estados Unidos e impor taxas sobre os produtos que as empresas norte-americanas produzem no exterior.

"O que queremos fazer é trazer de volta a produção para o nosso país (…) Isso não significa que não façamos comércio, porque fazemos. Mas queremos fazer os nossos produtos aqui", declarou o chefe de Estado.


A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 23.01.2017

Pois. Há quem não goste, mas o certo é que já há empresas que se comprometeram com investimentos de quase 100 mil milhões e centenas de milhar de postos de trabalho. O resto é treta.

comentários mais recentes
fern barreira 24.01.2017

ganda trump, a europa precisa de dois ou trez trumps.

5640533 24.01.2017

O que é que se pode esperar de um velho? Que seja retrógrado. E é.

Anónimo 23.01.2017

Acho piada a estes "democratas" que só dizem bem quando o adversário perde ! O Trump ganhou, calem-se ! Respeitem o voto popular ! E se acham que ele é imoral, porque é que não falam no Clinton que punha a estagiárias a "falar ao microfone" na sala oval ? E no John Kennedy ? Etc e tal !

Anónimo 23.01.2017

Pois. Há quem não goste, mas o certo é que já há empresas que se comprometeram com investimentos de quase 100 mil milhões e centenas de milhar de postos de trabalho. O resto é treta.

pub
pub
pub
pub