Américas Trump afunda nas sondagens depois de polémica com gravação

Trump afunda nas sondagens depois de polémica com gravação

O candidato republicano caiu oito pontos na sondagem Reuters/Ipsos. Inquérito mostra que um em cada cinco republicanos considera que os comentários de Donald Trump sobre mulheres o desqualifica para a presidência dos EUA.
Trump afunda nas sondagens depois de polémica com gravação
Reuters

A sondagem da Reuters/Ipsos foi lançada no último domingo após o segundo debate entre os candidatos à presidência dos Estados Unidos a nível nacional. Os resultados foram conhecidos esta terça-feira, 12 de Outubro, e revelam que Donald Trump, candidato do Partido Republicano, está oito pontos abaixo de Hillary Clinton, candidata do Partido Democrata, para os possíveis eleitores.

Hillary Clinton está assim a dilatar a sua vantagem em relação ao seu opositor, uma vez que na semana anterior a candidata democrata tinha uma vantagem de cinco pontos. Este inquérito realizado a pedido da agência Reuters revela também que, um em cada cinco republicanos considera que os comentários vulgares feitos por Donald Trump sobre mulheres o desqualifica da presidência dos Estados Unidos.


Na semana passada, foi divulgado um vídeo, gravado em 2005, em que Donald Trump fala sobre as mulheres em termos considerados vulgares e machistas. O presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Paul Ryan, desistiu na sexta-feira de aparecer publicamente, pela primeira vez, ao lado do candidato do Partido Republicano à Casa Branca, "indignado" com declarações machistas de Donald Trump.


Esta não é, contudo, a primeira sondagem que mostra um crescimento da diferença entre Clinton e Trump. O apoio a Donald Trump caiu a pique durante o último fim-de-semana, na sequência da divulgação de um vídeo com mais de 10 anos (datado de 2005) e em que o polémico candidato republicano realiza vários comentários sexistas. Mesmo depois dos vários pedidos de desculpa, as intenções de voto favoráveis ao magnata do imobiliário foram muito penalizadas por este novo incidente.

 O estudo de opinião levado a cabo pelo Wall Street Journal e pela NBC durante o último fim-de-semana mostra que a vantagem de Hillary Clinton, candidata democrata às presidenciais norte-americanas agendadas para o próximo mês de Novembro, subiu dos seis pontos percentuais verificados no último estudo (feito em Setembro) para 11 pontos.

Esta sondagem contempla também outros candidatos, o que reforça a convicção de vitória de Hillary Clinton, que nas últimas semanas tem conseguido algum distanciamento face ao seu rival apoiado pelo Partido Republicano, em especial depois de a antiga primeira-dama ter sido considerada a vencedora do primeiro debate com Trump.

No entanto, o estudo de opinião em causa não leva em conta o frente a frente realizado este domingo, e em que Clinton foi uma vez mais considerada a vencedora. Além de a generalidade das sondagens dar a vitória a Clinton neste debate, os analistas consultados pela CNN consideram que a antiga secretária de Estado no primeiro mandato do ainda presidente Barack Obama ganhou e que as ameaças de prisão feitas durante o debate por Trump à sua adversária foram claramente negativas para o multimilionário.

 

 




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Caiu 8 pontos, e está a 8 pontos? Então deviam estar empatados. Mas logo a seguir diz-se que na semana anterior estava a 5 pontos, pelo que não se percebe nada.

comentários mais recentes
Fernando Nabais Há 3 semanas

Lá que a Clinton tenha começado a guerra na Síria, tenha armado o Estado Islâmico e tenha ido para o debate dizer que vai dar armas a todos os que se opõem a Assad e no que depender dela a guerra nunca irá terminar, tudo bem. Agora o Trump dizer numa conversa privada que uma gaja tem umas pernas boas, isso é totalmente inaceitável.

Armindo Miguel Matos Há 3 semanas

É a opinião deles. Mas a única sondagem onde ele afunda é a da Clinton News Network.

Julio Macieira Há 3 semanas

A ver vamos... Só a imprensa (toda ela) acredita que ainda alguém acredita no que ela diz.

Hugo Laço Há 3 semanas

1 em cada 5??? Pensei que num conceito de normalidade, seria no mínimo 4 em cada 5. Mas tudo bem. A inteligência e o bom senso são cada vez mais um bem exclusivo.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub