Zona Euro Tsipras acusa FMI e Schäuble de "brincarem com o fogo" em relação à Grécia

Tsipras acusa FMI e Schäuble de "brincarem com o fogo" em relação à Grécia

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, apelou este sábado ao FMI e ao ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, para que parem de "brincar com o fogo", culpando-os pelo impasse nas negociações entre a Grécia e os credores.
Tsipras acusa FMI e Schäuble de "brincarem com o fogo" em relação à Grécia
Reuters
Lusa 11 de fevereiro de 2017 às 12:35

Na abertura de uma reunião do seu partido, o Syriza (de esquerda), e um dia depois da reunião inconclusiva em Bruxelas, o primeiro-ministro mostrou-se no entanto confiante de que, no final, será encontrado um acordo entre a Grécia e os credores.

Tsipras condicionou um regresso a Atenas dos representantes dos credores a uma mudança no Fundo Monetário Internacional (FMI): "Esperamos que o FMI reveja as suas previsões o mais depressa possível (...) para que as discussões possam continuar a nível técnico".


O governante grego também referiu à chanceler alemã, Angela Merkel, pedindo-lhe para "encorajar o seu ministro das Finanças a pôr fim à sua agressividade permanente" em relação à Grécia.


Tsipras falava um dia depois da reunião em Bruxelas que pretendia relançar as negociações para manter o país sobre-endividado sob assistência financeira, numa altura em que o receio de uma nova crise da dívida grega é alimentado pela falta de entendimentos entre a Zona Euro e o FMI.


O FMI exige um alívio substancial da dívida grega, uma opção que Berlim afasta, e medidas suplementares de austeridade, que Atenas rejeita, para alcançar o objectivo ambicioso de conseguir um excedente orçamental.


Depois da reunião de sexta-feira em Bruxelas, o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, disse que a Grécia, os seus credores europeus e o Fundo Monetário Internacional (FMI) avançaram quanto aos requisitos para permitir um regresso da missão de supervisão a Atenas na próxima semana.


"Hoje fizemos progressos substanciais e estamos perto de um entendimento para que a missão (da Comissão Europeia, do Banco Central Europeu, do Mecanismo Europeu de Estabilidade e do FMI) regresse a Atenas na próxima semana", informou Dijsselbloem no final de uma reunião destinada a alcançar um acordo que permita encerrar a avaliação que decorre no âmbito do resgate financeiro ao país.


A Grécia fez-se representar na reunião pelo ministro das Finanças, Euclides Tsakalotos.


A segunda missão de avaliação do cumprimento das condições do resgate por parte de Atenas continua pendente dado que os credores europeus e o FMI não chegaram a acordo sobre as reformas e a trajectória orçamental para o país a partir de 2018.


Num relatório divulgado esta semana, o FMI considera a dívida grega "insustentável" e "explosiva" e lança dúvidas sobre a capacidade de a Grécia alcançar um excedente primário de 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB) a partir de 2018, um objectivo fixado pelos parceiros europeus ao país, que tem estado sob assistência financeira internacional desde 2010.


O FMI condiciona a sua participação financeira no resgate concedido pelos europeus à Grécia em 2015 à adopção de mais reformas no país, nomeadamente no sistema de pensões e a um compromisso da Zona Euro no sentido de aliviar a dívida grega para a colocar a um nível "sustentável".




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Como e' possivel os paises da verdadeira Europa ainda ligarem alguma impotancia a esse bicharouco, e chefe de parazitas ; quanto mais lhe emprestarem mais ele gasta e nao paga a ninguem!!!! Grecia, poco sem fundo. o pensar grego conhecoo eu!!!

comentários mais recentes
Tripas Há 1 semana

O sr Tripas está muito aborrecido com o sr da cadeira de rodas. Trispas corre o risco de ficar sem emprego e na Grécia o fundo de desemprego não existe. Só existe o fundo das dívidas. Comem à fartazana e vão para os bailaricos da aldeia e num pagam a ninguém. E o ti Costa também é amigo do Tripas.

pertinaz Há 1 semana

APRENDIZ DE TRAMBIQUEIRO

pertinaz Há 1 semana

APRENDIZ DE TRAMBIQUEIRO

pertinaz Há 1 semana

APRENDIZ DE TRAMBIQUEIRO

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub