Europa Tsipras rejeita mais medidas para aumentar receitas

Tsipras rejeita mais medidas para aumentar receitas

Persiste o confronto entre Atenas e os credores, estando num impasse a aprovação da revisão ao programa grego. O primeiro-ministro rejeita mais medidas e não vê necessidade de eleições antecipadas.
Tsipras rejeita mais medidas para aumentar receitas
Reuters
Nuno Carregueiro 25 de janeiro de 2017 às 09:19

O Governo grego não vai propor mais medidas que pressuponham um aumento das receitas do Estado. A garantia é do primeiro-ministro Alexis Tsipras, numa altura em que persiste num impasse na aprovação da revisão do programa de ajustamento grego e aumenta a tensão entre Atenas e os credores.

 

"Garantimos categoricamente que não vai haver legislação para medidas adicionais que representem sequer um euro de receitas, além das que estão incluídas no acordo de resgate", disse o primeiro-ministro grego, em entrevista ao jornal Efimerida.

 

Acrescentou que "qualquer exigência para serem implementadas medidas adicionais, como condição [para aprovação da revisão], não está de acordo com Constituição grega e viola as regras da democracia".

 

Estas declarações surgem numa altura em que cresce a tensão entre Atenas e os credores internacionais. O comissário europeu Pierre Moscovici já alertou que a revisão do programa de resgate grego não vai ser aprovada na reunião do Eurogrupo agendada para quinta-feira.

 

"Vamos ver como conseguiremos uma conclusão rápida … mas é nesta altura óbvio que [um acordo] não será atingido quinta-feira", disse Moscovici, que também tem afirmado que não serão exigidas a Atenas medidas adicionais.

 

Os credores europeus não aceitam as metas orçamentais de Atenas e exigem mais reformas na área laboral e do sector energético. A Comissão Europeia pretende que Atenas se comprometa com um excedente orçamental equivalente a 3,5% do PIB. De acordo com o FMI, a menos que Atenas implemente mais medidas além das previstas, o excedente será de apensa 1,5% do PIB.

 

Atenas apenas se compromete a estender até 2019 o mecanismo de contingência que corta os reembolsos caso as metas orçamentais fiquem aquém do esperado. Mas recusa mais medidas legislativas.

 

Na Grécia cresce a expectativa que este diferendo entre o Governo e os credores vai resultar em  eleições antecipadas, até porque o Syriza está atrás da Nova Democracia nas sondagens.

 

Mas Tsipras rejeita este cenário. "Qual seria o propósito de ter eleições agora? Nem tenho a certeza que a Nova Democracia o queira. Fez o pedido porque foi obrigada", afirmou.  




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 3 semanas

OBVIO!

Este só "insiste" em RECEBER guita dos outros!

pub
pub
pub
pub