Segurança Social TSU: CDS fala em "consequências graves" para a concertação social

TSU: CDS fala em "consequências graves" para a concertação social

Os centristas voltaram a não revelar qual será o seu sentido de voto quando o decreto-lei for chamado para apreciação no Parlamento. Mas disse que o partido "votou contra uma medida parecida no último ano".
TSU: CDS fala em "consequências graves" para a concertação social
Miguel Baltazar

O CDS-PP considera que o facto de o Governo não ter garantido condições políticas no Parlamento para sustentar politicamente a solução de aumentar o salário mínimo ligado à redução da TSU (taxa social única) para os patrões é um "desastre e irresponsabilidade" que vai ter "consequências graves" na concertação social.


As palavras são da líder centrista, Assunção Cristas, esta terça-feira, 17 de Janeiro, em Lisboa no final da reunião com a UGT, no âmbito da sua ronda com os parceiros sociais para discutir os efeitos do possível chumbo no Parlamento da descida da TSU.


Para Cristas, o facto de o Governo "não ter garantido previamente condições políticas no Parlamento" tem "consequências graves, na fragilização da concertação social, pilar da democracia". O acordo assinado com a maioria dos parceiros, disse, "parece estar em fortíssimo risco, porque uma parte do acordo não vai poder ser cumprida porque o Governo não reuniu condições".


A líder do CDS-PP, que disse discordar do financiamento do aumento do salário mínimo através da Segurança Social e defendeu que deve sair do Orçamento do Estado, recordou que o partido "votou contra uma medida parecida no último ano".

Mas voltou a não querer antecipar qual será a orientação de voto nesta matéria, mesmo depois de informada pelos jornalistas que o Presidente da República já tinha promulgado o decreto-lei. "Aguardamos com alguma serenidade até vermos o documento promulgado e publicado," afirmou.

O Governo chegou a acordo na concertação social, com patrões e UGT, para aumentar o salário mínimo este ano de 530 para 557 euros. Em troca, o Executivo comprometeu-se a baixar a TSU em 1,25 pontos percentuais para as empresas que pagam salário mínimo. 

O novo salário mínimo está em vigor desde 1 de Janeiro. Já o decreto-lei que concretiza a redução da TSU foi aprovada em Conselho de Ministros electrónico esta segunda-feira ao início da noite, tendo sido já promulgada esta manhã pelo Presidente da República.

O decreto-lei terá agora de ser publicado em Diário da República. Só depois Bloco, PCP e Verdes podem pedir a apreciação parlamentar para revogar a medida. O PSD anunciou na semana passada que votará ao lado dos parceiros do Governo pondo em causa o acordo de concertação social alcançado em Dezembro de 2016.
  




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


COSTA LADRÃO, em ação (sempre a roubar os trabalhadores e pensionistas do privado).

A austeridade dividiu os Portugueses.

Pois dividiu.

Os ladrões FP/CGA querem mais despesa para continuar a encher os bolsos...

à custa dos trabalhadores e pensionistas do privado que estão cada vez mais empobrecidos com os aumentos de impostos para os sustentar!

comentários mais recentes
Joao22 Há 1 semana

Cada vez me sinto mais burro. Então sou eu que pago impostos que vou financiar o salario mínimo? As empresas pagam menos, os empregado recebem mais, e nos em geral pagamos mais impostos para cobrir aquilo que as empresas deixam de pagar. Golpada de mestre e os tugas continuam a engolir.

Cristas - cuidado! Diz não a tudo o que Costa te Há 1 semana

Cuidado Cristas não te deixes engolir pelo Costa. Não te esqueças, estamos com um aumento de 40% dos juros da divida, em apenas um ano de assalto ao poder pelo Costa! Estamos em bancarrota técnica!

Anónimo Há 1 semana


COSTA LADRÃO, em ação (sempre a roubar os trabalhadores e pensionistas do privado).

A austeridade dividiu os Portugueses.

Pois dividiu.

Os ladrões FP/CGA querem mais despesa para continuar a encher os bolsos...

à custa dos trabalhadores e pensionistas do privado que estão cada vez mais empobrecidos com os aumentos de impostos para os sustentar!

Anónimo Há 1 semana


A ladroagem de esquerda

PS LADRÃO, em ação (sempre a roubar os trabalhadores do privado).

COSTA LADRÃO aumenta impostos, aumenta dívida, aumenta despesa com salários e pensões dos FP-CGA…

e corta em tudo o resto!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub