Mercado de Trabalho Turismo faz do Algarve a região que mais cresceu em 2015

Turismo faz do Algarve a região que mais cresceu em 2015

Pelo segundo ano consecutivo, a região portuguesa com maior crescimento económico foi o Algarve. O INE atribui a responsabilidade ao turismo, que continua a apresentar números fortes. Madeira foi a única a sofrer uma contracção.
Turismo faz do Algarve a região que mais cresceu em 2015
Miguel Baltazar
Nuno Aguiar 16 de dezembro de 2016 às 11:33
Os dados publicados esta manhã pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) permitem concluir que o Algarve registou um crescimento de 2,7% do seu PIB regional em 2015 (no ano anterior tinha crescido 3,1%). Um valor que volta a colocá-la a alguma distância de todas as outras regiões do país. O Norte e o Centro, que surgem a seguir, viram a sua actividade económica reforçada em 1,9%.

O bom resultado do Algarve vem essencialmente dos sectores do comércio, transportes e alojamento e restauração, que em 2015 cresceram 4,6%. Ramos de actividade muito influenciados pelo número de turistas. O crescimento observado no Norte e no Centro veio, além desse sector, da indústria e da energia, que têm mais peso nessas duas regiões. 

Recorde-se que no ano passado a economia portuguesa na sua totalidade cresceu 1,6%. No entanto, há sempre comportamentos diferentes em cada região. A Madeira, por exemplo, viu o seu PIB recuar 0,1%. Foi a única região no vermelho. O INE justifica este resultado com a diminuição da produção - medida pelo valor acrescentado bruto (VAB) - das empresas que estão integradas no Centro Internacional de Negócios da Madeira, por vezes referido como o offshore da Madeira. Sem esse contributo desfavorável, o PIB madeirense teria crescido 0,2%.

Ainda assim, a Madeira não foi a única a crescer abaixo da média nacional. Nessa situação estiveram ainda a Área Metropolitana de Lisboa (1,2%) e o Alentejo (1,4%). Os Açores ficaram ligeiramente acima da média, com 1,7%.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub