União Europeia Tusk admite que Trump torna o futuro "altamente imprevisível"

Tusk admite que Trump torna o futuro "altamente imprevisível"

O presidente do Conselho Europeu considera que "os desafios que a UE enfrenta actualmente são mais perigosos" do que nunca e a agenda e declarações de Donald Trump fazem com que o futuro seja "altamente imprevisível".
Tusk admite que Trump torna o futuro "altamente imprevisível"
Reuters
David Santiago 31 de janeiro de 2017 às 13:33

É grande a incerteza provocada pelas decisões tomadas pela nova administração norte-americana. Agora foi a vez de Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, admitir que as políticas que começam a ser seguidas pelos Estados Unidos tornam o futuro "altamente imprevisível".

 

"Os desafios que a União Europeia enfrenta actualmente são mais perigosos do que alguma vez desde a época da assinatura do Tratado de Roma", escreve o dirigente polaco numa carta enviada aos 27 chefes de Governo dos países-membros da UE (excluindo já o Reino Unido).

 

No entender de Donald Tusk, "as mudanças em Washington colocam a UE numa situação difícil", uma vez que "a nova administração parece colocar em causa os últimos 70 anos da política externa americana".

 

"A desintegração da UE não levará à restauração de alguns mitos, da completa soberania dos seus Estados-membros, mas à sua real e factual dependência relativamente às grandes superpotências", acrescenta Tusk na missiva reproduzida pela agência Bloomberg, referindo-se em concreto aos Estados Unidos, à China e à Rússia.

 

"Só juntos podemos ser totalmente independentes", justifica Tusk numa clara defesa do processo de integração europeu. O líder do Conselho Europeu pede ainda aos líderes europeus para "juntos" lembrar aos Estados Unidos aquele que é o seu próprio lema: "Juntos ficamos de pé, divididos caímos".

 

Tusk referiu-se ainda especificamente às medidas de carácter proteccionista já adoptadas pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que logo depois de chegar à Casa Branca assinou ordens executivas para retirar o país de dois acordos comerciais.

 

Numa altura em que também o Reino Unido começa a preparar o entorno através do qual irá concretizar a saída do bloco europeu, para Donald Tusk é fundamental que a UE "utilize a mudança na estratégia comercial dos Estados Unidos em benefício da UE, intensificando conversações com os parceiros realmente interessados, defendendo em simultâneo os nossos interesses".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Zeze 31.01.2017

O Trump apesar de não ter nenhuma componente diplomatica, e lanças medidas estupidas, tambem tem medidas proteccionistas sobre o pais. E como é referido aqui a Eurpa divida é um alvo fácil. O problema é que a Europa ainda não tem acordos que vão de encontro com as necessidade d todos os seus membros

pub
pub
pub
pub