União Europeia UE divulga hoje cidades candidatas a acolher agências do Medicamento e Bancária

UE divulga hoje cidades candidatas a acolher agências do Medicamento e Bancária

O Conselho da União Europeia divulga hoje as cidades candidatas a receber as sedes da Autoridade Bancária Europeia e da Agência Europeia do Medicamento, instituições que sairão de Londres como consequência do 'brexit'.
UE divulga hoje cidades candidatas a acolher agências do Medicamento e Bancária
Lusa 01 de agosto de 2017 às 07:37
A cidade do Porto formalizou esta segunda-feira a sua candidatura para acolher a sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês), que regula a indústria farmacêutica europeia e que opera na capital britânica desde 1995.

A EMA conta com 890 trabalhadores e recebe anualmente visitas de cerca de 35 mil representantes da indústria, enquanto a Autoridade Bancária Europeia (EBA) tem 159 funcionários, segundo dados da União Europeia.

Uma vez publicadas as candidaturas, a Comissão Europeia realiza uma avaliação técnica sobre as cidades, tendo em conta aspectos como a oferta hoteleira, as ligações de transportes e a disponibilidade de trabalhadores locais -- no caso da EMA, 20 por cento dos funcionários eram de Londres.

O executivo comunitário deixará a decisão ao Conselho da União Europeia, que representa os Estados-membros da UE.

Os países comunitários terão uma "discussão política" com base na evolução da Comissão, último passo antes da votação dos ministros, em Novembro, para escolher onde se vão localizar as duas agências.

Os ministros de Assuntos Gerais serão os responsáveis pela votação, que terá um máximo de três rondas e seguirá o esquema que já foi utilizado em 2013 para mudar de Londres para Budapeste a sede da CEPOL, agência da UE para a formação policial.

A votação será secreta e não contará com a participação do Reino Unido. Cada um dos 27 Estados-membros terá o mesmo número de pontos.

Na primeira ronda, cada país poderá atribuir 3, 2 e 1 pontos às cidades candidatas, de acordo com a ordem da sua preferência.

Se algumas delas conseguir três pontos de mais de metade dos países (14), será considerada eleita por maioria absoluta. Se isso não acontecer, passam à ronda seguinte as três cidades com maior número de votos.

Na segunda ronda, cada país terá um ponto -- se alguma cidade conseguir 14, será eleita. Caso contrário, passarão à última ronda as duas mais votadas.

Em primeiro lugar, será decidida a nova sede da EMA e o país que a acolher terá de renunciar à EBA, caso também seja candidato.

O Porto apresentou esta segunda-feira a candidatura à sede da EMA, considerada como "a melhor forma" de a UE trabalhar a coesão no seu território.

O Governo aprovou, em Abril, a candidatura de Portugal, pretendendo instalar a sede do organismo europeu na capital, mas a decisão gerou polémica, com outras cidades a reivindicarem a mesma intenção.

Em final de Junho, o executivo decidiu reabrir o processo de candidatura, de forma a integrar também representantes do Porto, e o Conselho de Ministros decidiu a 13 de julho candidatar a cidade do Porto para acolher a EMA, por considerar ser a cidade portuguesa que "apresenta melhores condições para acolher a sede daquela instituição".

Lisboa já é sede de duas agências europeias, a da Segurança Marítima e o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência.

Praticamente todos os Estados-membros da União Europeia já apresentaram ou vão apresentar uma candidatura a sede da EMA, relativamente à qual deve existir uma decisão final em Outubro ou Novembro.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub