União Europeia UE pode exigir até 60 mil milhões no divórcio do Reino Unido

UE pode exigir até 60 mil milhões no divórcio do Reino Unido

Segundo o Financial Times, Bruxelas quer primeiro tratar do divórcio até meados de 2018 e só depois do acordo pós-Brexit, que poderá levar cinco ou mais anos a concluir.
UE pode exigir até 60 mil milhões no divórcio do Reino Unido
Bloomberg
Negócios 15 de Novembro de 2016 às 18:54

Os negociadores europeus do Brexit estão a pressionar no sentido de primeiro se tratar do divórcio do Reino Unido e só depois de um acordo pós-Brexit, o que poderá levar cinco ou mais anos a concluir, escreve o Financial Times.

 

Na primeira etapa da separação, que Bruxelas deseja ver concluída em meados de 2018 para poder ser efectivada no início 2019, far-se-á também o acerto de contas.

Michel Barnier (na foto), antigo comissário francês que está encarregue de chefiar as negociações do lado europeu, quererá que todos compromissos financeiros até agora assumidos por Londres sejam cumpridos. Cálculos do jornal britânico apontam para uma factura a oscilar entre 40-60 mil milhões de euros. As anteriores estimativas do próprio FT apontavam para 20 mil milhões de euros.

Ainda segundo o jornal britânico, Barnier acredita que este custo possa ser reduzido por um acordo de transição, que poderia durar cinco anos, período durante o qual o Reino Unido continuaria a contribuir para os orçamentos da UE nos moldes actuais.

 

Sobre o relacionamento futuro, a UE deverá manter-se intransigente, condicionando a prorrogação dos privilégios do Reino Unido no acesso ao mercado único à aceitação, por parte de Londres, das regras de livre circulação (incluindo de pessoas) e da jurisdição dos tribunais comunitários. Tais condições seriam extremamente difíceis de aceitar em Downing Street, especialmente se continuarem após as eleições gerais agendadas para 2020, acrescenta o jornal.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
OS BEEFS DIVIDIDOS AO MEIO, QUANTO AO BREXIT Há 3 semanas

Reina a mais completa desorientação no seio da Inglaterra, pelo brexit que fizeram, de que já estão amargamente arrependidos e agora têm de assumir, quer queiram., quer não.
É no que dá, quando de humildade não há nem o cheiro e a arrogância sobra.

QUE A UE NÃO TENHA A MÃO LEVE Há 3 semanas

Os "beefs", como é seu estilo, gostam de pisar os outros e escolher para si próprios o melhor do melhor.
Para os outros fica a m-erda.
Sempre têm sido assim ao longo da história, mas agora lixaram-se e meteram-se num beco sem saida.
Este é o resultado da sua pesporrência e arrogância.

Esta UE tem os dias contados Há 3 semanas

Os ingleses que os mandem à fava. Referendem, "A França é a França" e eu quero sair desta porcaria de UE que não serve os povos, apenas distribui tachos.

pub
pub
pub
pub