Emprego UGT aceitará salário mínimo nos 580 euros, mas diz que é possível ir mais longe

UGT aceitará salário mínimo nos 580 euros, mas diz que é possível ir mais longe

A UGT aceitará na concertação social a subida do salário mínimo nacional para os 580 euros, mas defende que o ritmo económico do país permite ir mais longe e por isso propõe 585 euros.
UGT aceitará salário mínimo nos 580 euros, mas diz que é possível ir mais longe
Bruno Simão/Negócios
Lusa 21 de novembro de 2017 às 12:25
Em declarações à margem de uma conferência organizada na sede da União Geral do Trabalhadores (UGT), o secretário-geral da organização diz que prefere "manter uma postura moderada" nas negociações, mas considera que, face ao ritmo económico do país, os 585 euros seriam "razoáveis".

"Temos de manter a pressão, até para empurrar os outros salários para cima", afirmou Carlos Silva.

O secretário-geral da UGT lembrou que o Orçamento do Estado deste Governo já veio devolver rendimentos, com preocupações de consolidação orçamental, e defendeu que o crescimento do salário mínimo deve ser contínuo, de forma a chegar aos 600 euros em 2019.

Sobre as reivindicações dos patrões, que pedem contrapartidas para aumentar o salário mínimo, Carlos Silva sublinhou: "Já assinámos acordos em que estava prevista a redução da TSU [Taxa Social Única] para as empresas, mas a este nível preferimos ir pela via da redução do IRC para as empresas que invistam no interior do país e ajudem a combater a desertificação do território".

"É preciso também penalizar quem usa a precariedade e dar benefícios a todos os outros que optem pelos contratos a termo, para dar estabilidade ao trabalhador. É que nem todos os sectores são sazonais", acrescentou.

Sobre os 600 euros de salário mínimo proposto pela CGTP, Carlos Silva afirma: "Não somos contra, mas parece que vai para além do ritmo [económico]. Prefiro apostar na moderação".

A próxima reunião da concertação social está marcada para a próxima sexta-feira e, segundo os parceiros, será para se iniciar o debate sobre a actualização do salário mínimo.

No passado fim de semana, em entrevista conjunta à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, manifestou-se indisponível para aceitar a proposta de 600 euros de salário mínimo para 2018.

Questionado sobre um possível aumento do salário mínimo para 580 euros, o empresário disse que a CIP não fará desse valor "um cavalo de batalha" e que só tomará posição depois de saber a proposta do Governo.

Já na segunda-feira, no Fórum da TSF, o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, afastou a possibilidade de um aumento do salário mínimo, actualmente em 557 euros, que eleve a remuneração acima dos 580 euros.

"Apesar de o Governo ainda não ter apresentado nenhuma proposta para este ano, não vejo nenhuma razão significativa para alterar a trajectória que seguimos até agora", afirmou o ministro.

"O mais provável é mesmo que seja esse o ponto de partida para o debate na Concertação Social", acrescentou Vieira da Silva.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ricky Há 2 semanas

Claro que a UGT aceita, a UGT aceita tudo, é o melhor exemplo que existe de um "Yes man", neste caso uma "Yes Union". Veja-se o que fizeram durante o governo PaF, aceitaram tudo e ainda se davam ao luxo de criticar quem não aceitava passar fome, ficar sem casa, emigrar e ver-lhes roubados 60% da ref

Anónimo Há 2 semanas

Anda tudo a contar tostões... e baixas perfeitamente evitáveis entre os civis. Salários e pensões de reforma absolutamente desnecessários, no todo e em parte, desembocam nisto. Neste descalabro asqueroso chamado geringonça.

pub