Banca & Finanças Ulrich diz que Marcelo foi "prudente" ao vetar fim do sigilo bancário

Ulrich diz que Marcelo foi "prudente" ao vetar fim do sigilo bancário

O presidente do Banco BPI, Fernando Ulrich, considera que o Presidente da República foi "prudente" ao vetar o diploma do Governo relativo ao fim do sigilo bancário, apontando para a "instabilidade" que se vive nos mercados.
Ulrich diz que Marcelo foi "prudente" ao vetar fim do sigilo bancário
Lusa 03 de Outubro de 2016 às 20:51

"Não vou falar sobre política. Eu percebo que, num momento em que há muita volatilidade e instabilidade nos mercados, e em que há muitas situações por consolidar, seja prudente. Foi dessa forma que eu entendi a posição do senhor Presidente da República", afirmou Fernando Ulrich esta segunda-feira, aos jornalistas, à margem de um evento em Lisboa.

 

"Há muitos anos que digo que acho que não é indispensável e até que não devia haver sigilo bancário para efeitos fiscais. Mas não é com o limite dos 50 mil euros ou não, porque há também muita fraude fiscal em níveis de rendimentos mais baixos", sublinhou.

 

E realçou: "Penso que na situação em que estamos, eu compreendo uma atitude de prudência e de bom senso, e de não estar a fazer mexidas muito radicais, dado que há muita coisa para consolidar, na economia, no sistema financeiro, e na atracção do investimento estrangeiro".

 

Por outro lado, vincou Ulrich, nos últimos anos "foram realizados em Portugal muitos progressos na melhoria da eficiência da máquina fiscal e, portanto, a capacidade que o Fisco hoje em dia tem de cobrar os impostos é muito maior e [o sistema fiscal] funciona muito melhor do que há 10 ou 20 anos".

 

O líder do BPI rematou que "tudo junto, uma posição de equilíbrio é, neste momento, mais construtiva".

 

O Presidente da República vetou o decreto do Governo que obriga os bancos a informar a Autoridade Tributária sobre as contas bancárias de residentes em território nacional com saldo superior a 50 mil euros.

 

O Presidente da República justificou na sexta-feira o veto ao decreto do Governo sobre acesso da Autoridade Tributária a informação bancária considerando que é de uma "inoportunidade política" evidente, num momento de "sensível consolidação" do sistema bancário.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub