Saúde Um caso de 'legionella' confirmado e sete em estudo em fábrica na Maia

Um caso de 'legionella' confirmado e sete em estudo em fábrica na Maia

A Direcção-Geral de Saúde revelou esta segunda-feira que há um caso confirmado de "doença dos legionários" numa fábrica na Maia, Porto, e outros sete "em estudo", tendo sido tomadas "todas as medidas para controlar o problema e prevenir novas ocorrências".
Um caso de 'legionella' confirmado e sete em estudo em fábrica na Maia
Lusa 13 de março de 2017 às 22:09

O director-geral de saúde, Francisco George, disse à Lusa que "o Instituto Ricardo Jorge identificou a relação causa-efeito entre as secreções pulmonares de um doente com pneumonia provocadas por uma bactéria que é a mesma detectada na água da torre de arrefecimento da respectiva empresa fabril".

 

De acordo com Francisco George, o caso hoje confirmado pela Direcção-Geral de Saúde (DGS) foi sinalizado na última semana de Fevereiro.

 

"Todas as medidas foram tomadas para controlar o problema e prevenir novas ocorrências. Prosseguem os estudos em mais sete casos que foram diagnosticados nas últimas semanas", disse Francisco George.

 

De acordo com o director-geral de saúde, as medidas tomadas em conjunto com a Inspecção-Geral do Ambiente vão no sentido de "controlar a situação de 'cluster' da doença dos legionários ocorrida numa empresa fabril da Maia".

 

Francisco George não quis, para já, adiantar qual a fábrica afectada pelos casos de 'legionella', nem se a unidade foi encerrada.

 

A doença, provocada pela bactéria 'legionella pneumophila', é contraída por inalação de gotículas de vapor de água contaminada (aerossóis) de dimensões tão pequenas que transportam a bactéria para os pulmões, depositando-a nos alvéolos pulmonares.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub