Emprego Um em cada três empregados da restauração é clandestino, denuncia sindicato

Um em cada três empregados da restauração é clandestino, denuncia sindicato

A descida do desemprego no sector é explicada em parte pela informalidade na contratação, acusa ao Dinheiro Vivo. Os patrões queixam-se de falta de mão-de-obra especializada.
Um em cada três empregados da restauração é clandestino, denuncia sindicato
Negócios 31 de Outubro de 2016 às 10:46

O presidente do Sindicato da Hotelaria do Norte estima que "há 90 mil trabalhadores clandestinos nos cafés, pastelarias e restaurantes" portugueses, que "representam 30% da força de trabalho no sector".

 

Em declarações ao Dinheiro Vivo, Francisco Figueiredo denuncia que "há muitos restaurantes que recorrem ao trabalho informal e que não descontam para a Segurança Social", justificando "muita da diminuição" da taxa de desemprego na área com esta informalidade.

 

Em Setembro, face ao mesmo mês do ano anterior, os dados do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) registaram menos 8,4% de pessoas sem emprego no sector da restauração, num total de 33.290 inscritos.

 

Do lado dos empresários, que desde Julho beneficiam da taxa do IVA a 13%, o problema passa pela falta de mão-de-obra especializada. O líder da Associação de Hotelaria, Restauração e Turismo (APHORT), Rodrigo Pinto Barros, falou à mesma publicação da dificuldade em encontrar candidatos com o perfil adequado, estando por isso a recorrer menos aos inscritos nos centros de emprego.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
António Baião Há 3 dias

não reclassif de acordo com a categ, jovens de 1º emp andam 4 e 5 anos a estag e aprendizes, salários mais baixos do que o SMN, antes de emp mesabalcão de 2ª, já fartaram ser explorados saem do setor. patrões com estas medidas desetabilizam o setor e falam de falta de mão de obra e formação.Enfim

Francisco António Há 3 dias

Pagando uma miséria de 600 ou 800€ querem pessoal com o "perfil adequado" ? Mas o que é isso de perfil ?

AVerVamos Há 3 dias

Dai que o sector da restauração mereceu a baixa do IVA!! Porque é só gente séria..

João Há 3 dias

O amigo Toninho Bost*a baixa o IVA da restauração para ZERO!

pub
pub
pub
pub