Impostos Unidade de Grandes Contribuintes arrecadou 19,5 mil milhões em 2017

Unidade de Grandes Contribuintes arrecadou 19,5 mil milhões em 2017

Os números, ainda preliminares, foram divulgados esta quarta-feira no Parlamento pelo Secretário de Estado dos Assuntos fiscais que esteve numa audição sobre a anulação de 125 milhões de euros de impostos liquidados à Brisa.
Unidade de Grandes Contribuintes arrecadou 19,5 mil milhões em 2017
Miguel Baltazar

A Unidade dos Grande Contribuintes, da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) arrecadou em 2017 um valor de 19 mil milhões de euros em impostos, o equivalente a 45% do total da receita total. António Mendonça Mendes sublinhou que são ainda dados preliminares, mas apresentou-os aos deputados para demonstrar o trabalho e importância daquela Unidade.

 

Estes números comparam com 2016, quando a receita arrecadada junto dos grandes contribuintes foi de 15,7 mil milhões de euros, o que correspondeu a 39% do total da receita arrecadada em 2016, de 40,2 mil milhões de euros. Ou seja, um crescimento, na Unidade dos grandes contribuintes, de seis pontos percentuais de um ano para o outro.

 

António Mendonça Mendes esteve esta  quarta-feira, 24 de Janeiro, no Parlamento, na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa numa audição pedida pelo Bloco de Esquerda na sequência da notícia avançada pelo Negócios de que a AT optou por anular uma liquidação de IRC no valor de 125 mil milhões de euros à Brisa.

 

Os deputados questionaram também o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais sobre o desempenho da Unidade de Grandes Contribuintes que, segundo o Tribunal de Contas, cobra pouco e é pouco eficaz.

 

O governante admitiu que é preciso "reforçar os meios" de que a Unidade de Grandes Contribuintes dispõe e que, disse, "são sempre escassos". Actualmente há 195 funcionários naquela Unidade, o que compara com 163 em 2015. "Temos de ver a melhor forma de os organizar e estamos neste momento em processo final de revisão da orgânica para criar novas divisões relacionadas com preços de transferência ou recolha de informação internacional, que é muita", adiantou António Mendonça Mendes.

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 24.01.2018

Volto a insistir no raio da dívida em IRC da Brisa no valor de 125 MIL MILHÕES de euros ...
Corrijam isso ...
Se não me lerem, então ouçam o que disse o Papa Francisco ( e é notícia no vosso jornal online )...
O líder da Igreja Católica escolheu o tema das chamadas “fake news” para a sua mensagem do Dia Mundial das Comunicações Sociais e alertou para os riscos da difusão da desinformação. Aos jornalistas deixou um recado: “Informar é formar, é lidar com a vida das pessoas”

Anónimo 24.01.2018

Se a minha opinião conta para alguma coisa e vós contam com ela, então alguém peça à Sra. jornalista Maria João Babo, para rever aquilo que escreveu ... 1º fala em 2010 ??? ... depois fala em 125 mil milhões de euros de dívida da Brisa, é que a ser verdade só essa dívida dava para liquidar quase toda a nossa dívida externa!!! Tenham dó de nós que vos lemos.

mario 24.01.2018

Péssimo jornalismo.... no ano de 2010??!!! IRC da brisa de 125mil milhões??!! Voçes não relem o texto antes de editar????

Anónimo 24.01.2018

A lista de devedores continua gorda. https://www.portaldasfinancas.gov.pt/pt/menu.action?pai=100
Estão a fazer esforços sérios para a emagrecer ou vamos nós continuar a pagar impostos para estes malandros passearem nos paraísos fiscais?

pub