Justiça Urban Beach: empresa de segurança fiscalizada, discoteca fecha até seis meses

Urban Beach: empresa de segurança fiscalizada, discoteca fecha até seis meses

A discoteca fecha até seis meses, para adoptar novas normas de segurança. A PSP investiga a empresa de segurança enquanto o Governo reúne órgão consultivo. Racismo, discriminação, violência: há 38 queixas só este ano.
Urban Beach: empresa de segurança fiscalizada, discoteca fecha até seis meses
Miguel Baltazar/Negócios
Wilson Ledo 03 de novembro de 2017 às 12:30

A PSP vai fiscalizar a actividade da empresa de segurança PSG, envolvida no caso de agressão na discoteca Urban Beach.

A medida foi determinada pelo Ministério da Administração Interna (MAI), que esta sexta-feira, 3 de Novembro, determinou o fecho daquele espaço de diversão nocturna em Lisboa.


"Será também convocado o Conselho de Segurança Privada para a análise da situação ocorrida no estabelecimento K Urban Beach", informou o ministério liderado por Eduardo Cabrita. Este é um órgão de consulta que integra representantes de diferentes forças policiais bem como representantes de associações de empresas de segurança privada.


Em comunicado, o MAI explica que o fecho do K Urban Beach "visa evitar novas ocorrências no interior ou nas imediações do referido espaço e a manutenção da segurança e ordem públicas", depois de recebidas 38 queixas por alegadas práticas de violência, discriminação ou racismo.


O fecho do K Urban Beach poderá levar seis meses, "período durante o qual o proprietário do estabelecimento deve adotar as medidas necessárias ao regular funcionamento do mesmo que vierem a ser determinadas pelo Comando Metropolitano de Lisboa da PSP no que respeita às condições de segurança".


O caso mais recente de violência foi conhecido esta semana, depois de terem surgido nas redes sociais vídeos onde dois seguranças da empresa PSG, em frente ao espaço do K Urban Beach, agridem dois jovens, um deles já imobilizado no chão. Um dos seguranças chega a saltar em cima deste último.


A PSP já fez saber que um dos seguranças envolvidos foi detido esta sexta-feira e que os restantes continuam a ser procurados, estando todos identificados.


Entretanto, também o Ministério Público abriu uma investigação. A procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, citada pela Lusa, referiu que "não pode haver qualquer tipo de complacência" para actos de violência como os que aconteceram no K Urban Beach ou em Coimbra, num outro episódio que também teve lugar esta semana.


A PSG – Segurança Privada já veio repudiar, em comunicado, o sucedido e garantiu que vai tomar todas as diligências para "punir" os responsáveis "de forma exemplar, de acordo com a gravidade do comportamento". A empresa teve conhecimento do caso através dos vídeos que chegaram às redes sociais.


Já o administrador da discoteca, Paulo Dâmaso, reagiu também em comunicado, dizendo que se trata de um "problema estritamente de segurança na via pública" e manifestou-se disponível para colaborar nas investigações. O estabelecimento é propriedade do Grupo K.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
38 Há 2 semanas

É o país que temos...Depois de 38!!! queixas o MAI manda fechar o espaço. E fizeram o quê às 37 queixas anteriores? Arquivaram numa gaveta?
Não fosse o video e só fariam alguma coisa depois de alguém morrer às mãos da gorilada ...

Fechem tb o Galinheiro Há 2 semanas

No galinheiro matam-se adeptos de outros, atiram fogo ,abastecem droga a partir da porta 18 e o ministério publico nada faz e até o General do caixote a mais de explosivos de tancos aparece numa reunião de apoio ao orelhas FARDADO e apoiado por insignes deputados na nacion !

Lisa Há 2 semanas

Em Coimbra o espancamento foi mais grave é horrível .So falam em Lisboa, o resto é paisagem?

pertinaz Há 2 semanas

JÁ DEVIA TER FECHADO HÁ MAIS TEMPO

PAÍS DE GOVERNANTES COBARDES...!!!

ver mais comentários
pub